Mundo

Trump continua comprometido a tirar Maduro do poder, diz Pompeo

Trump continua comprometido a tirar Maduro do poder, diz Pompeo

O secretário de Estado americano, Mike Pompeo, chega à Costa Rica, em 21 de janeiro de 2020 - AFP/Arquivos


O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, “continua firmemente comprometido” em tirar do poder o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, disse nesta quinta-feira o secretário de Estado, Mike Pompeo.

O chefe da diplomacia dos EUA declarou que o governo Trump, que considera a reeleição de Maduro em maio de 2018 fraudulenta, “de maneira alguma” abandonou seus esforços para retirar o presidente venezuelano de uma posição que Washington afirma ser ilegal.

“Estamos trabalhando para restaurar a democracia na Venezuela”, disse Pompeo ao WFLA Orlando.

“O presidente Trump continua firmemente comprometido com isso”, acrescentou. “Maduro destruiu esse país”.

Os Estados Unidos apoiam a luta do líder opositor venezuelano Juan Guaidó, a quem ele reconhece como presidente interino da Venezuela.


+ Mãe conta à polícia que ateou fogo e matou bebê por ‘vergonha’ de ter a gravidez descoberta
+ Após ameaças, soldada da PM denuncia coronel por assédio sexual
+ Youtuber é perseguido por jacaré de três metros: veja vídeo



Pompeo foi consultado sobre o assunto nesta quinta-feira, ano em que, na qualidade de chefe parlamentar, Guaidó invocou a Constituição e se declarou presidente encarregado de liderar um governo de transição e organizar novas eleições.

Guaidó é reconhecido como presidente interino por mais de 50 países, mas “o ditador” Maduro ainda está no poder, disse o jornalista Bud Hedinger, do programa Good Morning Orlando.

“Os Estados Unidos desistiram de tentar tirar Maduro?”, perguntou Hedinger a Pompeo.

“De jeito nenhum”, respondeu o secretário de Estado, que disse ter o “privilégio” de conhecer Guaidó na segunda-feira na Colômbia.

Guaidó “está trabalhando para levar à frente o que o povo venezuelano exige. Eles apenas querem liberdade e democracia”.

Pompeo, que concluiu na quarta-feira uma viagem pela América Latina e o Caribe, durante a qual a situação na Venezuela esteve muito presente nas reuniões oficiais, se encontrou em Miami com exilados venezuelanos que se opõem a Maduro.

“Falamos sobre a ameaça à segurança representada pelo regime de Maduro para os Estados Unidos”, disse à AFP Gustavo Garagorry, presidente do Varc (Clube Republicano Americano da Venezuela).

Também na Flórida, o secretário de Defesa dos EUA, Mark Esper, disse que o governo de seu país continua a “exercer muita pressão sobre o regime [de Maduro], econômica e diplomaticamente”.

“Estaríamos preparados para apoiar o povo e o novo governo da Venezuela com assistência humanitária após o regime de Maduro”, disse Esper em uma reunião com jornalistas na sede do Comando Sul dos EUA em Miami.

Veja também

+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tenha também a Istoé no Google Notícias
+ Canadá anuncia primeira morte de pessoa vacinada com AstraZeneca no país
+ Yasmin Brunet comemora vitória de Gabriel Medina
+ Decifrado código dos Manuscritos do Mar Morto
+ Receita de panqueca americana com chocolate
+ Receita rápida de panqueca de doce de leite
+ Contran prorroga prazo para renovação da CNH
+ Receita de moqueca de peixe simples e deliciosa
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Sucuris gigantes são flagradas em expedições de fotógrafos no MS