Mundo

Trump chama democratas de ‘doentes’ por impeachment

Trump chama democratas de ‘doentes’ por impeachment

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, nos jardins da Casa Branca em 9 de novembro de 2019. - AFP

“Esta gente é doente!” – desabafou nesta sexta-feira o presidente Donald Trump contra o processo de impeachment promovido pelos democratas, em uma entrevista por telefone na qual não poupou insultos e teorias da conspiração.

Trump escolheu o programa de TV “Fox & Friends”, um de seus favoritos, para manifestar sua frustração após uma série de audiências públicas no Congresso sobre o caso ucraniano.

Durante 53 minutos, em uma enxurrada de comentários, Trump disse o quanto está irado com o processo para tentar destituí-lo com base no caso ucraniano, denunciou a “total falta de sentido” e disse que está ansioso para se defender.

“Francamente, quero este julgamento”, declarou o presidente sobre o processo de impeachment.

Os democratas acusam Trump de pressionar a Ucrânia, incluindo com o congelamento de uma ajuda militar de 400 milhões de dólares, para que Kiev investigasse Joe Biden, potencial candidato às eleições presidenciais de 2020.

+ Consulado chinês nos EUA é fechado e provoca nova crise
+ As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

Hunter, filho de Joe Biden, trabalhou em uma empresa de gás ucraniana quando seu pai era vice-presidente de Barack Obama.

Trump nega qualquer condição imposta a Kiev e denuncia uma “caça às bruxas”.

Diante da fúria de Trump, os apresentadores Steve Doocy, Brian Kilmeade e Ainsley Earhardt tentaram organizar a entrevista: “Senhor presidente, a acusação é a seguinte: utilizou ajuda – dinheiro dos contribuintes – para atacar um adversário político”?

Mas Trump se desviou da questão e disparou contra Alemanha e França – que segundo ele não concedem ajuda suficiente à Ucrânia (que luta contra separatistas apoiados pela Rússia) – e contra todos os atores do processo de impeachment: legisladores, diplomatas e especialistas.

O legislador democrata “Adam Schiff inventa tudo, está doente, este homem tem um problema” mental, declarou o presidente.

Nancy Pelosi, líder dos democratas no Congresso, “não faz nada (…), está paralisada (…), é louca como um percevejo”.

Marie Yovanovitch, ex-embaixadora dos Estados Unidos na Ucrânia, que denunciou as intimidações do presidente americano, “é tão genial que não queria ver a minha foto pendurada na embaixada”. “Esta mulher nunca foi um anjo”.

Sobre o embaixador dos Estados Unidos na União Europeia, Gordon Sondland, o presidente foi ainda mais direto: “É toma lá, dá cá”? Negocia “absolutamente qualquer coisa”, mas “mal o conheço”.

Trump aproveitou a entrevista para reafirmar a teoria de que a Ucrânia tratou de interferir nas eleições presidenciais americanas de 2016 a favor de Hillary Clinton, sua adversária democrata.

“Verão coisas incríveis, talvez o grande escândalo político na história do nosso país”.

“Quais são as fontes”? – perguntaram os apresentadores. “Só posso lhes dizer que temos muita informação sobre coisas terríveis”, respondeu.

Veja também

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Bolsonaro veta indenização a profissionais de saúde incapacitados pela covid-19

+ Nascidos em maio recebem a 4ª parcela do auxílio na quarta-feira (05)

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?