Tecnologia & Meio ambiente

Trump assistirá lançamento do primeiro voo tripulado da SpaceX

Trump assistirá lançamento do primeiro voo tripulado da SpaceX

Presidente Donald Trump em 11 de dezembro de 2017 segura um astronauta de brinquedo após uma cerimônia de assinatura da Diretiva de Política Espacial - AFP/Arquivos

O presidente Donald Trump assistirá na quarta-feira, 27 de maio, ao lançamento de uma nave SpaceX com dois astronautas da NASA, no que será o primeiro voo espacial tripulado a decolar dos Estados Unidos em nove anos, anunciou a Casa Branca neste sábado (23).

Decidido a marcar um retorno à normalidade em seu país após meses de confinamento pela pandemia de coronavírus, o presidente foi jogar golfe neste sábado em seu clube na Virgínia, perto de Washington, pela primeira vez desde 8 de março.

“Nosso destino, além da Terra, não é apenas uma questão de identidade nacional, mas também de segurança nacional”, afirmou o presidente dos EUA em comunicado, no qual anuncia sua presença no local de lançamento da nave.

A decolagem está marcada para quarta-feira às 16h33, horário local (17h33 de Brasília), do Centro Espacial Kennedy.

Um foguete Falcon 9 da empresa SpaceX, fundada na Califórnia por Elon Musk, transportará a cápsula Crew Dragon, desenvolvida pela empresa para a NASA, com a qual assinou contratos de 3 bilhões de dólares desde a última década.

Os dois astronautas, Doug Hurley e Bob Behnken, chegarão à Estação Espacial Internacional (ISS) 19 horas após o lançamento e permanecerão nela por vários meses.

As condições climáticas podem ser adversas no dia do lançamento e a probabilidade de adiamento é de 60%, segundo previsões publicadas neste sábado pela base militar de Cabo Canaveral.

Será a primeira vez que astronautas americanos decolam de seu país desde o fim das viagens espaciais em 2011, após 30 anos de serviço.

Desde então, apenas os russos têm meios de transporte para a ISS e dezenas de astronautas americanos (e estrangeiros) aprendem russo e são transportados por foguetes da Soyuz, partindo do cosmódromo de Baikonur, no Cazaquistão.

Desde 2000, a ISS é ocupada permanentemente por americanos e russos.

Após sua chegada à Casa Branca em 2017, Trump deu um novo impulso à NASA, ordenando que acelerasse o retorno à Lua em 2024, em vez de 2028, como planejado originalmente, uma meta muito difícil de alcançar que desencadeou um confronto com a agência espacial.

Esta viagem lunar, denominada Artemis, será feita com um foguete pesado (SLS) e uma cápsula com ampla autonomia (Orion), totalmente diferentes daquelas desenvolvidas pela SpaceX para a ISS.

A empresa de Elon Musk entrou em uma licitação para o voo para a Lua que transportará astronautas americanos que pousarão no satélite terrestre pela primeira vez desde 1972.