Mundo

Trump aprova plano para retirar soldados dos EUA da Alemanha

Trump aprova plano para retirar soldados dos EUA da Alemanha

Donald Trump em um ato republicano em Phoenix, em 23 de junho de 2020. - AFP

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, aprovou um plano para retirar 9.500 soldados americanos que estão na Alemanha, um projeto que será apresentado “nas próximas semanas” ao Congresso e depois aos aliados da Otan, informou o Pentágono nesta terça-feira (30).

O secretário da Defesa, Mark Esper, e o chefe do Estado Maior do Exército, Mark Milley, “divulgaram um plano na segunda-feira para remanejar 9.500 soldados para fora da Alemanha”, informou o porta-voz do Pentágono, Jonathan Hoffman.

O porta-voz fez referência à redução de tropas solicitada em 15 de junho por Trump, que acusou a Alemanha de se beneficiar economicamente da presença militar americana em seu território.

“A proposta que foi aprovada não apenas responde às diretrizes do presidente, mas também acentua a dissuasão em relação à Rússia, fortalece a Otan, assegura os aliados, melhora a flexibilidade estratégica dos Estados Unidos e do comando operacional do Exército americano na Europa, sempre cuidando de nossos soldados e de suas famílias “, acrescentou o porta-voz.

As autoridades do Pentágono “reportarão às Comissões de Defesa de ambas as casas do Congresso nas próximas semanas e depois consultarão seus aliados sobre como proceder”, acrescentou.

Veja também

+ Neto de Elvis Presley é encontrado morto, diz site
+ Gafanhotos: cidade na Bahia enfrenta invasão de insetos
+ Usado: Toyota Corolla é carro para ficar longe da oficina
+ Cientistas localizam o centro do Sistema Solar — e advinhem, não é o Sol
+ Filho de David Beckham fica noivo de atriz filha de bilionário
+ Royal Enfield Interceptor 650 a moto mais vendida no Reino Unido
+ A “primavera das bikes” pós-pandemia vai chegar ao Brasil?
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior