Geral

Trio de deputados bolsonaristas critica vacinas para crianças com informações falsas

Trio de deputados bolsonaristas critica vacinas para crianças com informações falsas

Uma enfermeira prepara uma vacina covid-19 da Pfizer-BioNtech em Garlan, França, em 31 de maio de 2021 - AFP/Arquivos


Desde o começo da vacinação contra a Covid-19, membros do governo federal e até mesmo o presidente Jair Bolsonaro (PL) tem criticado os imunizantes e defendido o direito de não se vacinar, o que não é recomendado por especialistas e principalmente pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

A nova polêmica envolvendo a vacina é a questão da imunização para crianças entre 5 e 11 anos. Na última semana, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou a vacina da Pfizer para esta faixa etária.

Entretanto, a ação foi alvo de críticas de Bolsonaro e mais recentemente dos deputados federais Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), Bia Kicis (PSL-DF) e Carla Zambelli (PSL-SP), os quais se utilizaram de informações falsas para defender a não vacinação infantil contra a Covid-19.

Bia Kicis divulgou um vídeo em seu Facebook ao lado do médico José Nasser, o qual alega que os imunizantes tem efeitos colaterais graves e já foram até relatados pelo professor Robert Malone, possível criados das vacinas de RNA mensageiro. Entre os efeitos citados está a falsa afirmação de que a proteína spike, contida na vacina da Pfizer, pode gerar danos permanentes no organismo, inclusive problemas de fertilidade e câncer.

Vale ressaltar que Malone não é o criador da tecnologia do RNA mensageiro, ele é um dos pesquisadores que contribuíram para o desenvolvimento da tecnologia.

Em resposta à Folha de S. Paulo, o chefe de Infectologia da Universidade de Estadual Paulista (Unesp), Alexandre Naime Barbosa, disse que são raros os eventos potencialmente graves registrados nas vacinas da Pfizer e da Moderna não estão relacionados à toxicidade da proteína spike.

Conhecida como Capitã Cloroquina, Mayra Pinheiro também criticou as vacinas da Pfizer. A publicação foi repostada pelo deputado Eduardo Bolsonaro.

“Estudos da vacina em crianças são escassos, não têm boa qualidade metodológica e não demonstram a eficiência da mesma em reduzir doença e morte nessa população”, afirma o post divulgado pelo parlamentar, que teve mais de 140 retuítes e foi compartilhado 4.500 vezes no seu perfil no Facebook.

Além da autorização da Anvisa, os resultados com a vacina da Pfizer indicam 90,7% de eficácia na prevenção de Covid-19 entre crianças de 5 a 11 anos, Os testes foram realizados em outubro deste ano.

Importante aliada de Jair Bolsonaro na Câmara dos deputados, Carla Zambeli publicou um vídeo do cientista social e advogado Fernando Conrado em seu site pessoal. No conteúdo, Conrado navega pelo site do CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças), órgão de saúde dos Estados Unidos, para mostrar efeitos danosos da vacina. As imagens foram divulgadas na rede social Rumble, plataforma semelhante ao YouTube, utilizada pela parlamentar para fugir da remoção de conteúdo falso.

Entretanto, a ala do site usada pelo cientista social pode receber contribuições e opiniões de qualquer pessoa por meio de um formulário online.

Os estudos sobre a vacina da Pfizer, até o momento, indicam que o imunizante é eficaz, inclusive com base sólidas de resultados por autoridades nos Estados Unidos e na Europa.