Ediçao Da Semana

Nº 2743 - 19/08/22 Leia mais

Equilibrando um elenco de estrelas internacionais e atores tailandeses, entre eles alguns estreantes, o diretor Ron Howard leva para as telas “Treze Vidas: O Resgate”, a versão cinematográfica do salvamento de um time de futebol na Tailândia que chocou o mundo em 2018.

“Como diretor, eu sabia que este seria um desafio emocionante”, disse Howard durante a apresentação do trailer de seu novo filme, que estreia em 5 de agosto no Brasil.

“Esta pode ser uma versão muito extrema do meu tipo favorito de filme, aqueles que provam que finais incríveis não são produto da ficção”.

A produção segue o resgate dos 12 meninos de um time de futebol que, junto com seu técnico, ficaram presos em uma caverna na Tailândia por mais de duas semanas. O trailer traz imagens angustiantes, assim como os momentos de celebração vivenciados durante a operação.

Mas Howard explica que sua proposta foi além de retratar a ação “muito cinematográfica, intensa” que envolveu centenas de pessoas, incluindo mergulhadores internacionais, fuzileiros navais e voluntários.

“Houve uma participação incrível em outras áreas. As pessoas correram riscos reais, físicos e emocionais”, disse o diretor do “Apollo 13: Do Desastre ao Triunfo”. “Quanto mais eu aprendia sobre a história, mais dimensional e divertida eu achava que poderia ser”.

“Gravar este filme também refletiu um pouco o resgate”, disse o ator Viggo Mortensen, que interpreta o mergulhador britânico Rick Stanton, uma das principais figuras do resgate. “Foi um esforço de equipe”.

Stanton acompanhou a filmagem aconselhando de perto os atores, especialmente Mortensen.

O mergulhador chamou a experiência cinematográfica de “fascinante”, elogiando o realismo da produção. “Apenas olhando para esses cenários que foram construídos em algumas semanas, não teria como saber que não são cavernas reais […] Isso é o mais real possível”, disse.

“Parecia muito real às vezes”, acrescentou Mortensen.

– ‘Um fardo e uma honra’ –

A tentativa de recriar o resgate dramático desafiou os atores fisicamente e psicologicamente.

Colin Farrel, que interpreta o mergulhador John Volanthen, comentou sobre o quão “aterrorizante” pode ser filmar a maior parte do tempo debaixo d’água, mesmo em um ambiente controlado.

O ator, que confessou não saber nadar, destacou o “espírito de colaboração” das filmagens, assim como a importância de homenagear aqueles que participaram da operação que deixou duas pessoas mortas, uma delas meses após o resgate.

“Era um fardo e uma honra”, disse Farrell. “E nós estávamos cientes disso. Não se tratava de chegar para interpretar esses mergulhadores britânicos que estavam lá para ter sucesso em um resgate. Era realmente sobre ser guiados por nossos irmãos e irmãs tailandeses.”

Ron Howard destacou a importância de retratar a comunidade da província de Chiang Rai, no norte da Tailândia.

Para tanto, o casting não só contou com atores e equipe locais, mas também garantiu que os adolescentes fossem retratados por jovens do norte, conferindo autenticidade linguística ao filme.

“Não se trata apenas de um sotaque, mas também de como você se expressa. Era vital, importante, que abordássemos essas questões”, disse Howard, que contou com a ajuda de, entre outros, Vorakorn “Billy” Ruetaivanichkul, coprodutor do filme.

Com trabalho extenso no norte da Tailândia, Ruetaivanichkul também assumiu a preparação dos jovens atores que deram vida aos adolescentes resgatados.

“Pedi para eles irem imaginando, passo a passo, que estavam em um lugar estreito sem água e comida por vários dias, e que dificilmente sairiam de lá tão cedo”, disse o cineasta. “Pedi a eles que imaginassem isso e agissem de acordo”.

A operação já havia sido tema do documentário “Operação Resgate na Tailândia”, lançado no ano passado com cenas inéditas.

“Treze Vidas: O Resgate” estará disponível para streaming em agosto, após seu lançamento nos cinemas.