Esportes

Treino faz ‘gigante’ Francisco Barretto se destacar na ginástica

Francisco Barretto tem quase 30 anos e com seus 1,75m de altura é considerado muito “alto” para a ginástica artística. Mas o atleta de Ribeirão Preto sempre compensou o “excesso” de tamanho em uma modalidade dominada por baixinhos com muito treino. Nos Jogos Pan-Americanos, ele conquistou sua segunda medalha de ouro por equipes (a outra foi em 2011) e agora sonha em ganhar um pódio no individual – ele disputa as finais do cavalo com alça nesta terça e barra fixa na quarta.

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

“Eu não tenho uma medalha individual. É um grande sonho que sempre tive, um objetivo grande individual. Tenho vontade grande de ser medalhista pan-americano em algum aparelho. Vou tentar fazer meu melhor. Em Toronto, estava nas finais da paralela e no cavalo, mas acabei não subindo ao pódio”, explicou o rapaz.

Nascido em Ribeirão Preto, ele não perdeu o sotaque do interior paulista e conseguiu fazer com que a altura grande para os padrões de sua modalidade pudesse ser usada a seu favor. “Sou um pouco alto para fazer argolas, ou o individual geral, pois tenho um pouco dificuldade na questão da rotação, peso, ângulo para a argola é mais difícil, porém alguns aparelhos facilitam, como o cavalo ou a barra fixa, que têm uma amplitude de movimento e embalo maiores”, disse.

Ele conta que sempre precisou treinar o dobro de quem é mais baixinho, que costuma ter mais facilidade na maioria dos aparelhos. “Fiquei no esporte pela persistência e pelo amor à ginástica. Tive muita dificuldade e precisei treinar muito mais que muitas pessoas para eu poder chegar a determinado movimento. Os mais altos começam a desistir, pela dificuldade que é. Assim a ginástica vai selecionando seus atletas”, afirmou.

Ele é o mais velho da equipe que ganhou o ouro no domingo. Até por isso ele assume a responsabilidade diante do grupo e, junto com Arthur Zanetti, ajudam os mais novos sempre que é necessário. “A experiência conta um pouquinho. Os meninos mais novos estão chegando, são bons, com perspectiva de melhora para o futuro, para 2023 quem sabe podem estar representando novamente no lugar mais alto”, comentou.

Chico considera que é preciso festejar o primeiro lugar por equipes, mas que ainda existem muitas disputas de finais por aparelhos e o grupo precisa se manter focado. “Fizemos só uma parte do nosso objetivo.”

Ele também não quer falar sobre até quando pretende competir. Considera que fisicamente está bem e espera ajudar o Brasil a conquistar a vaga olímpica nos Jogos de Tóquio-2020. No Mundial, que será disputado em Stuttgart, na Alemanha, a seleção vai brigar por uma das nove vagas disponíveis.

“Me sinto muito bem competindo. Venho cuidando das lesões, pois isso todos atletas têm, mas não tenho um ponto final. Gosto muito da ginástica artística, não me vejo fora, me sinto bem e vou até onde o corpo e a cabeça permitirem. A parte mental é mais importante até que a física. A exaustão da mente é pior. Enquanto eu tiver dando resultados para o País, vou continuar no esporte”, avisou.

Veja também

+Após ficar internada, mulher descobre traição da mãe com seu marido: ‘Agora estão casados’

+ Por decisão judicial, Ciro Gomes tem imóvel penhorado em processo com Collor

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ Baleia jubarte consegue escapar de rio cheio de crocodilos na Austrália

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea