Saúde da mulher

Transplante de fezes pode amenizar sintomas de bipolaridade, afirmam cientistas

Crédito: Unsplash

Recentemente, um estudo publicado pelo “Australian & New Zealand Journal of Psychiatry” relatou que dois pacientes de transtorno bipolar tiveram seus sintomas psiquiátricos amenizados após receberem transplantes de fezes. E apesar de ainda ser cedo para afirmar que essa é realmente uma forma de tratamento para a condição, cientistas estão otimistas.

+ Entenda o que acontece com seu corpo quando você segura o cocô


+ O que é residência terapêutica e quando optar por essa alternativa

Com informações do “IFL Science”, entenda como a saúde do intestino pode ajudar a amenizar os sintomas da bipolaridade — que também pode ser chamada de transtorno maníaco-depressivo

O que é o transtorno bipolar

Pacientes com bipolaridade têm períodos alternados de mania (ou hipomania) — humor elevado, aumento da atividade e diminuição do sono — e de depressão.

Essas pessoas tomam medicamentos, geralmente por toda a vida, para controlar seus sintomas. Dentre essas drogas, incluem-se principalmente os estabilizadores de humor (como o lítio) e antipsicóticos. Muitos desses remédios possuem riscos e efeitos colaterais como ganho de peso, sedação e distúrbios de movimento.

O estudo

Em 2020, o psiquiatra australiano Russell Hinton foi responsável pelo tratamento de uma paciente de transtorno bipolar que já havia tentado mais de uma dúzia de medicamentos diferentes para a condição. Ela havia sido internada dez vezes, ganhado uma quantidade considerável de peso e julgava não ter qualidade de vida.

Após receber um transplante das fezes de seu marido, a mulher livrou-se dos sintomas, perdeu 33 quilos, seu quadro dispensou o uso de medicação e sua carreira evoluiu. 

O segundo paciente foi reportado pelo também psiquiatra Gordon Parker e seus colegas da Universidade de Nova Gales do Sul (UNSW), na Austrália. Tratava-se de um jovem adulto que havia descoberto a bipolaridade durante a adolescência, tentado diversos medicamentos e tornado-se progressivamente intolerante aos seus efeitos colaterais.

Depois de receber o transplante, o homem foi capaz de interromper progressivamente todos os medicamentos no ano seguinte e praticamente não teve alterações de humor. Ele também notou uma melhora em sua ansiedade e TDAH (transtorno de déficit de atenção e hiperatividade).

Como isso é possível?

O intestino humano é habitado por trilhões de diferentes bactérias, e o chamado microbioma intestinal tem um enorme impacto na saúde geral do organismo. Diferenças nas bactérias intestinais têm sido associadas, por exemplo, à obesidade, diabetes e síndrome do intestino irritável (SII).

A ideia por trás dos transplantes de fezes é alterar o microbioma intestinal. No procedimento, as fezes de uma pessoa saudável são retiradas e reposicionadas no organismo do paciente em tratamento.

Quando feito “de cima para baixo”, o procedimento acontece através da ingestão de cápsulas ou por meio de um tubo inserido no nariz, estômago ou intestino. Ele pode também ser realizado “de baixo para cima”, através de um enema — um procedimento simples e indolor no qual uma seringa transfere as fezes para o reto — ou de colonoscopia — realizada sob anestesia com a inserção de um tubo mais alto no cólon.

Os transplantes de fezes já são usados ​​para tratar a infecção intestinal causada pela bactéria Clostridium difficile, além de terem sido testados, com sucesso, em pessoas com síndrome do intestino irritável, colite ulcerativa, HIV, hepatite e outras condições médicas. Os efeitos colaterais do procedimento são raros.

A relação entre fezes e saúde mental

Em estudos científicos, microbiomas intestinais anormais têm sido frequentemente associados a transtornos psiquiátricos. Estudos com ratos e camundongos mostram, ainda, que quando as fezes de humanos com depressão e esquizofrenia são ingeridas por estes animais, eles parecem desenvolver uma versão animal dessas doenças. 

Essas descobertas sugerem que os transplantes de fezes podem ter o potencial de tratar algumas condições de saúde mental. Isso porque algumas bactérias agem diretamente na parede do intestino, enviando sinais para o cérebro através do nervo vago. As bactérias também produzem grandes quantidades de produtos químicos (por exemplo, ácidos graxos de cadeia curta), que afetam praticamente todos os sistemas do corpo, incluindo o sistema imunológico — e a função cerebral depende muito das células imunológicas.

Não tente isso em casa

As evidências ainda são recentes e requerem estudos mais amplos para terem sua veracidade comprovada. Os transplantes de fezes devem ser realizados somente sob a supervisão de profissionais médicos; e, no Brasil, o procedimento com o intuito de tratar transtornos psiquiátricos ainda não é autorizado.