Tragédias não acontecem à toa

Tragédias não acontecem à toa

Helicóptero tenta apagar incêndio causado por explosões no porto de Beirute - AFP

A catástrofe ocorrida ontem, em Beirute, me fez lembrar de Mariana e Brumadinho. É impressionante como a combinação de pobreza, corrupção, crises econômicas sistêmicas, violência e toda sorte de mazelas, inevitavelmente, em intervalos de anos, culminam em tragédias humanas.

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

Líbano e Brasil, ainda que separados por um oceano e um continente; ainda que geopoliticamente díspares um do outro; ainda que formados por sociedades completamente diferentes; ainda que muito pouco passíveis de comparação convergem em muitos dos aspectos – senão todos – que elenquei no parágrafo acima.

Acidentes, como a explosão do porto de Beirute, até ocorrem em países desenvolvidos, mas as causas jamais seriam as mesmas. Barragens também se rompem nos Estados Unidos, mas nunca como (e porque) em Mariana e Brumadinho. A diferença, meus caros, está no esmero do trato da segurança da sociedade e da própria nação.

Em países onde as leis cíveis e penais são rigorosas e tempestivas, blindadas da corrupção e dos arranjos em tribunais superiores, regras, protocolos, manutenção e tudo que se refere às normas de segurança são seguidos à risca, sem jeitinhos, sem remendos ou improviso. Se não em 100% dos casos, em 99,99% com certeza.

Erros humanos individuais acontecem em qualquer lugar. Um e outro político ou alto executivo corrupto e/ou negligente existem em todos os países. Mas quando deixam de ser exceção e tornam-se regra, como no Brasil e no Líbano, “merdas acontecem”. E a despeito de toda a repercussão do momento, continuarão a acontecer.

Países que, mesmo após séculos (e milênios!) de existência, insistem em se manter no subdesenvolvimento, na chaga da desigualdade extrema, na corrupção e corporativismo de Estado como regra, serão eternamente berço de tragédias como a de ontem e as de Mariana e Brumadinho. Simples assim, triste assim.

Veja também

+ Após foto “com volume” ser derrubada no Instagram, Zé Neto republica imagem usando bermuda

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ Baleia jubarte consegue escapar de rio cheio de crocodilos na Austrália

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Morre mãe de Toni Garrido: “Descanse, minha rainha Tereza”

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.