O Dia

RJ: Traficantes mudam trajeto de 24 linhas de ônibus

Rio – Pelo menos 24 linhas que cortam as cidades de Niterói e São Gonçalo, na Região Metropolitana, sofrem com interferência direta de criminosos que agem na região, segundo levantamento feito pelo Sindicato das Empresas de Transportes Rodoviários (Setrerj), que atua nessas cidades, a pedido de O DIA. Através de barricadas e ordens diretas, os traficantes alteram frequentemente os itinerários das linhas de ônibus, atingindo cerca de 40 mil passageiros.

No Rio, quem anda de ônibus também sofre com a violência nos coletivos. Na última terça-feira, um PM foi morto ao reagir a uma tentativa de assalto. Nos locais do levantamento, moradores contam que são impedidos de descer nos pontos de ônibus perto de suas casas, devido às alterações de rotas.

No Terminal Rodoviário de Alcântara, passageiros comentam a influência do tráfico no transporte. “As rotas dos ônibus mudam de acordo com as barricadas que são feitas. Muitas vezes os ônibus têm que dar mais voltas para chegar ao ponto final”, disse uma estudante de 23 anos, moradora da favela Jardim Catarina, passageira da linha 13C (Alcântara – Jardim Catarina).

Ela afirma que, na vizinhança, há quem demore 20 minutos a mais para chegar em casa, dependendo da quantidade de barricadas no caminho. Uma grávida, que também pediu anonimato, conta que o pior é quando passa mal à noite e tem que fazer uma longa caminhada até o ponto onde o ônibus está permitido de passar. “Tem um ponto bem perto, mas o ônibus não tem permissão de passar por lá. É um absurdo, que prejudica não só os passageiros. No caso das ruas com barricadas, os moradores que têm carro também são afetados”, explica a estudante.

São Gonçalo é o município que inspira mais cuidados

Presidente do Sindicato das Empresas de Transportes Rodoviários, Márcio Barbosa diz que São Gonçalo é a cidade que inspira mais cuidados. Isso porque sempre é preciso mudar o itinerário dos ônibus para garantir  a segurança dos passageiros e motoristas.
“São 24 linhas afetadas, mais de 70 ônibus e mais de mil passageiros impactados por dia”, apontou. “Salgueiro e Jardim Catarina estão entre as áreas mais críticas. E nem estamos falando de assaltos, estamos falando de risco à vida provocada por limitação de circulação imposta por criminosos. Algo precisa ser feito pelo poder público”, acrescentou Barbosa.
Na terça-feira, o sindicato dos Rodoviários de Niterói a Arraial do Cabo (Sintronac) enviou ofício para o 7° BPM (São Gonçalo) e para a Secretaria de Segurança do Estado pedindo reforço de policiamento na comunidade da Praia da Luz, pois traficantes têm impedido, sob ameaças, a circulação dos ônibus da linha 31 (Praia da Luz-Barreto).
Ontem, a Polícia Civil prendeu Jefferson Tavares Xavier, 28 anos, conhecido como Jefinho. Acusado de ser o líder da quadrilha de roubos a coletivos no Barreto, em Niterói, o criminoso foi preso na favela Boa Vista, no Centro.
Assaltos a ônibus batem recorde na cidade do Rio
Os assaltos em ônibus dispararam na cidade do Rio e atingiram recorde nos últimos 16 anos. Segundo o Instituo de Segurança Pública (ISP), de janeiro a setembro deste ano, uma pessoa foi assaltada em coletivos a cada 33 minutos, com 12.132 casos — a maior quantidade roubos da série histórica, iniciada em 2003.Na noite de segunda-feira, um policial militar foi morto dentro de um ônibus, na altura da Mangueira. O sargento Alexandre da Silva Teixeira, 45 anos, reagiu a um assalto e foi baleado.
Em nota, a assessoria da Polícia Militar afirmou que “desde o início deste ano, o comando da corporação tem intensificado o policiamento ostensivo em todo o estado visando, dentre outras estratégias, o combate ao crime organizado, ao tráfico de drogas e às modalidades de roubo que apresentaram maior incidência”.Segundo a nota da PM, o policiamento na cidade do Rio segue “análises das manchas criminais”. “O comando da corporação determinou a intensificação do emprego do Grupamento de Policiamento Transportado em Ônibus; o emprego de 2.300 novas viaturas e mais de 700 novas motocicletas no policiamento ostensivo”, informou.