A tomada de três pinos e a Olimpíada

E por que temos a tomada de três pinos no Brasil? Pasmem, mas a corrupção e a farra com o dinheiro público têm muito mais a ver com ela do que você imagina

Pelo menos até o fim da primeira semana, apesar de problemas com filas, transporte e alimentação, além de alguns assaltos e piscinas com misteriosa água verde, a Olimpíada no Rio de Janeiro estava transcorrendo muito melhor do que os pessimistas temiam. A alegria e simpatia dos cariocas cativaram a maioria dos estrangeiros. Isso não significa que algumas espertezas brasileiras não tenham causado situações embaraçosas ou desconfortáveis.

Um bom exemplo é a venda de adaptadores para nossas tomadas de três pinos. No mercadinho da Vila Olímpica só eram encontrados em pacotes de dez unidades por R$ 200,00 cada. Além de precisar comprar algo que só serve no Brasil, os atletas não tinham a opção de comprar um único adaptador e ainda eram forçados a pagar o dobro do preço usual. E por que temos a tomada de três pinos no Brasil? Pasmem, mas a corrupção e a farra com o dinheiro público têm muito mais a ver com ela do que você imagina.

O custo do dinheiro no País (a taxa de juros) é muito elevado, penalizando severamente empresas e consumidores. Salvo durante crises de confiança, juros elevadíssimos atraem muitos capitais estrangeiros, tornando a moeda americana no Brasil mais barata do que deveria ser. Isso barateia produtos importados, o que dificulta a vida do produtor nacional. Altos impostos, juros elevados e uma taxa de câmbio excessivamente apreciada – causados, entre outros fatores, por gastos públicos excessivos – tornaram a indústria brasileira pouco competitiva. Ao invés de lidar com as causas da baixa competitividade – o excesso de gastos públicos, a burocracia, a má qualificação da mão de obra, a falta de infraestrutura adequada e o baixo grau de automação –, o governo Lula tentou proteger nossa indústria artificialmente, aumentando tarifas de importação e, ideia genial, criando a tomada de três pinos. Imaginaram eles que eletrodomésticos e eletroeletrônicos comprados no exterior ficariam mais caros ou não funcionariam no Brasil. Só não pensaram que rapidamente os chineses inventariam os adaptadores, inundando nossas lojinhas e supermercados com tal quebra-galho.

Pelo menos a nossa indústria saiu fortalecida, certo? Errado. Seis anos depois, a nossa indústria encolheu e, com frequência, o produto nacional tem pior qualidade e é mais caro do que o do exterior.


+ Rapper implanta diamante de R$ 128 milhões no rosto
+ PR: Jovem desaparecida é encontrada morta; namorado confessa crime
+ Galo bota ovos e surpreende moradores de Santa Catarina

Veja também

+ Aprenda a preparar o delicioso espaguete a carbonara
+ Vídeo: o passo a passo de como fazer ovo de Páscoa
+ Cientistas desvendam mistério das crateras gigantes da Sibéria
+ Sexo: saiba qual é a melhor posição de acordo com o seu signo
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Como fazer seu cabelo crescer mais rápido
+ Vem aí um novo megaiceberg da Antártida
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Editora estreia com o romance La Cucina, uma aventura gastronômia e erótica


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.