Esportes

Título inédito de Gallardo como técnico tem ares de despedida do River Plate

Crédito: Reprodução Instagram

Multicampeão pelo River Plate, Marcelo Gallardo ainda não havia conquistado o Campeonato Argentino como técnico. Na última quinta-feira (25), a equipe comandada pelo treinador venceu o Racing e garantiu o nacional para deixar o histórico de títulos do ‘ídolo milionário’ ainda maior.

Apesar do clima de comemoração, rumores de uma possível saída de Gallardo do comando da equipe argentina ganharam ainda mais força, principalmente por conta da suas declarações logo após a conquista.

“É a primeira vez que o meu vínculo acaba. Tenho dado tudo a este clube até hoje. É a primeira vez, em um momento de ansiedade e de análise, porque exige muito esforço. Acho que mereço a possibilidade de me repensar porque é preciso muita energia para continuar. Agora vou analisar, repensar”, disse o técnico à “Espn”

“Além da reflexão que se pode fazer, qualquer que seja a decisão, será muito difícil de tomar. Não sei se vai ser a mais difícil, desportivamente falando. Passamos por muitas situações… Mas pessoalmente, sim, pode ser a mais difícil da minha vida.”, completou.

Gallardo foi destaque com a camisa 10 do River Plate, mas foi como treinador que ele atingiu outro status no clube. Quando assumiu o comando dos milionários em 2014, a equipe estava fragilizada e retornava da segunda divisão.

Além do bom futebol, o estilo imposto por Gallardo chamou atenção pela capacidade de conseguir reverter vantagens impensáveis nos confrontos eliminatórios, principalmente nos torneios internacionais. Ao todo foram 13 títulos como técnico do River Plate: três Recopas Sul-Americanas, três Copas da Argentina, duas Supercopas do país, duas Copa Libertadores e uma Copa Sul-americana. Por último, o comandante garantiu a conquista do nacional.

“Quando eu cheguei, pensei se estava preparado para isso. E vivi muitos momentos felizes. E se pode estar preparado, mas o futebol muitas vezes dá as costas para quem está preparado também. Aconteceu muito. Foram sete anos e meio de muito desgaste e foco, porque hoje você venceu e amanhã tem que vencer de novo”, refletiu o treinador argentino.