Economia

TIM, Vivo e Claro tentam ‘seduzir’ Oi com contrato de longo prazo em fibra ótica

A nova proposta conjunta formulada por TIM, Vivo e Claro pela rede móvel da Oi e divulgada no fim da noite de segunda-feira, 27, apresentou mais um atrativo, além da oferta elevada para R$ 16,5 bilhões. O trio de operadoras informou que a nova proposta conjunta considera também a possibilidade de assinarem com a Oi contratos de longo prazo para uso de infraestrutura, o que representa um atrativo importante para a companhia.

O novo modelo de negócios da Oi, apresentado ao mercado no primeiro semestre, tem como foco a comercialização de sua capacidade de rede de fibra ótica, que permite a implementação de novos pontos de banda larga fixa, assim como a conexão de antenas de internet móvel – essencial para a cobertura futura do 5G. Isso significa que ter um contrato firme com as três maiores teles do País significaria um bom começo para a “nova Oi”.

O novo plano da Oi, que ainda atravessa recuperação judicial, prevê a venda de redes móveis, torres e data centers para pagar dívida e sustentar investimentos. O principal braço de negócios remanescente seria a InfraCo, subsidiária voltada à oferta de infraestrutura e serviços de fibra ótica. A Oi permanecerá como sócia, mas venderá entre 25% e 51% do capital da subsidiária, o que poderá lhe render, no mínimo, R$ 6,5 bilhões, de acordo com cálculos da própria tele.

A InfraCo tem potencial para dar lucro a partir de 2022, segundo laudo da consultoria E&Y feito sob encomenda da Oi e considerando as premissas do novo plano de negócios. A estimativa é de prejuízo de R$ 261 milhões para a InfraCo em 2021, e lucro de R$ 111 milhões em 2022, seguido por lucros crescentes até superar o patamar de R$ 1 bilhão a partir de 2025. A unidade de negócios demandará investimentos de R$ 18,6 bilhões no período entre 2021 e 2024 para expansão das redes. Ou seja, os números reforçam a importante de buscar fontes firmes de receita.

“A oferta endereça as necessidades financeiras do Grupo Oi, de amplo conhecimento do mercado em geral, para que este possa implementar seu plano estratégico e atender seus credores”, descreveram TIM, Vivo e Claro no fato relevante publicado na segunda-feira à noite.

A nova proposta conjunta também foi uma reação para tomar à frente nas negociações para aquisição das redes móveis da Oi depois que o mercado foi surpreendido pela entrada de um novo concorrente no páreo.

A Highline do Brasil – empresa especializada em infraestrutura de telecomunicações e controlada pela americana Digital Colony – colocou na mesa um valor superior ao lance mínimo de R$ 15 bilhões e acima da proposta conjunta feita inicialmente pelo trio de teles.

Veja também

+ Cantora MC Venenosa morre aos 32 anos e família pede ajuda para realizar velório
+ Homem salva cachorro da boca de crocodilo na Flórida
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona
+ Idoso morre após dormir ao volante e capotar veículo em Douradoquara; neto ficou ferido
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel