Esportes

Thiago Braz decepciona e fica fora do pódio no GP Brasil; Augusto Dutra é ouro

Maior destaque da 35.ª edição do GP Brasil de Atletismo, realizado neste domingo, no estádio do Centro Nacional de Desenvolvimento do Atletismo, da Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt), em Bragança Paulista (SP), Thiago Braz, campeão olímpico nos Jogos do Rio-2016, decepcionou na prova do salto com vara. Ficou longe do pódio, bem distante da marca de 6,03 metros que o fez ganhar a medalha de ouro no estádio do Engenhão há quase três anos.

Em sua primeira prova desde voltou a treinar com o técnico Elson Miranda, o recordista olímpico começou saltando 5,45 metros de primeira, dispensou as tentativas para 5,55 metros e não conseguiu ultrapassar o sarrafo na marca de 5,60 metros em três saltos. “O resultado não reflete o meu treinamento. Estou me sentindo muito bem e confiante. Tenho certeza que vou acertar meus saltos nas próximas provas”, comentou.

O também brasileiro Augusto Dutra, único atleta da competição a saltar 5,75 metros – melhor resultado da temporada, repetindo índice do Pan e do Mundial -, foi o campeão, mesmo com vento forte que soprava neste domingo em Bragança Paulista. O argentino German Chiaraviglio e o norte-americano Audie Wyatt saltaram 5,60 metros e ficaram, respectivamente, em segundo e terceiro lugares. “A competição começou difícil, com muito vento lateral, mas consegui bons saltos. Ainda tentei 5,85 metros para melhorar minha posição no ranking mundial, mas não deu”, lembrou.

Gabriel Constatino foi outro destaque entre os brasileiros, ganhando o ouro nos 110 metros com barreira com seu melhor tempo na temporada, 13s24, e a prata nos 200 metros com 20s21, atrás do colombiano Bernardo Baloyes, que correu em 20s08. Outro brasileiro que fez um ótimo tempo foi o jovem Alison dos Santos, que venceu os 400 metros com barreira com 48s84. Aos 19 anos, ele desponta como promessa para o atletismo brasileiro.

“Não esperava conseguir essa marca agora de jeito nenhum. Estou bem treinado, mas a projeção era de correr abaixo de 49s00 mais para a frente”, comentou o atleta, que ratificou índices para os Jogos Pan-Americanos de Lima e para o Campeonato Pan-Americano Juvenil de San José, na Costa Rica, e atingiu a marca mínima para o Mundial de Doha, no Catar.


+ Advogada é morta e tem corpo carbonizado no Rio de Janeiro
+ Morre Liliane Amorim, influencer de Juazeiro do Norte, após complicações da realização de lipoaspiração

“Faço questão de correr as três competições e mais as que aparecerem. Estou muito feliz com meus resultados neste início de temporada”, comentou o barreirista, que havia corrido 49s48, no dia 19 de abril, em Azusa, nos Estados Unidos, onde participou de um camping de treinamento e competição, promovido pelo Comitê Olímpico do Brasil (COB) e CBAt.

No arremesso de peso, o recordista sul-americano Darlan Romani, que no ano passado conquistou a marca de 22 metros, arremessou uma distância de 21,69 metros e acabou atrás do nigeriano Chukwuebuka Enekwechi, vencedor com 21,72 metros.

Entre as mulheres, Giovana dos Santos conseguiu o índice para o Sul-Americano ao marcar o seu melhor tempo nos 400 metros, com 53s38. Ela ficou em segundo lugar, atrás da atleta de Serra Leoa Maggie Barrie, que correu em 52s62.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Atriz e modelo sul-coreana Song Yoo-jung morre aos 26 anos
+ Pais matam as 2 filhas para provar que elas voltariam a vida
+ Cientista desvenda mistério do monstro do Lago Ness. Descubra! + Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel