Mundo

Tempos difíceis para a AstraZeneca, em meio a diversas crises

Tempos difíceis para a AstraZeneca, em meio a diversas crises

Uma caixa da vacina do laboratório sueco-britânico AstraZeneca - AFP/Arquivos


A AstraZeneca está passando por seus piores momentos. Depois da preocupação com supostos efeitos indesejáveis de sua vacina contra a covid-19, o laboratório enfrenta uma ofensiva política da União Européia (UE) por atrasos em suas entregas.

“Segura e eficaz”, foi a conclusão da Agência Europeia de Medicamentos (EMA) na quinta-feira sobre a vacina desenvolvida por este laboratório sueco-britânico e pela Universidade de Oxford.

Durante dias seu uso foi suspenso em vários países, incluindo Alemanha, França e Espanha, devido a alguns casos de coágulos sanguíneos ou trombose.

Estavam relacionados à vacina? Não foi provado nem excluído. E mesmo que fosse, os problemas são tão raros – dezenas de milhões de vacinados – que tal bloqueio geral não parecia justificado.

Essa foi a mensagem do regulador europeu, compartilhada pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Mas embora as vacinações com AstraZeneca tenham sido retomadas, os países escandinavos preferiram esperar e, na França, as autoridades querem reservá-la para maiores de 55 anos, já que as tromboses parecem estar mais concentradas nos jovens.

Para alguns especialistas, o estrago já foi feito, apesar de vários líderes europeus darem o exemplo e terem sido vacinados na sexta-feira com o injetável.

“Sem dúvida será prejudicial e haverá mais relutância”, admite à AFP o imunologista Jean-Daniel Lelièvre, dos hospitais de Paris (AP-HP), lamentando uma onda de “pânico”.

– Dano político –

A AstraZeneca também é criticada por não entregar as vacinas com a rapidez necessária. No ano passado, o laboratório prometeu à UE 360 milhões de doses até meados de 2021. Na semana passada, admitiu que entregaria apenas 100 milhões.

O anúncio irritou Bruxelas. A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, ameaçou neste sábado bloquear as exportações da vacina contra o coronavírus da AstraZeneca, caso a UE não receba primeiro as doses prometidas.

“Temos a opção de suspender as exportações planejadas. Esta é a nossa mensagem para a AstraZeneca: respeite o contrato com a Europa antes de começar a fornecer [doses] para outros países”, disse a autoridade ao grupo de imprensa alemão Funke.

O Comissário Europeu Thierry Breton, responsável pelas vacinas, referiu-se à situação como “inaceitável”.

A AstraZeneca não identifica culpados. Mas os documentos oficiais europeus apontam apenas para dois países estrangeiros de fabricação: o Reino Unido e os Estados Unidos.

Segundo o New York Times, os Estados Unidos bloqueariam a exportação de 30 milhões de doses, considerando que ainda não autorizou a vacina.

Para a UE, o argumento não é válido, uma vez que outros laboratórios como a Pfizer já resolveram seus atrasos, e suspeita que a AstraZeneca tenha prometido mais do que poderia.

“Há um problema específico” relacionado ao grupo, garante um alto funcionário europeu à AFP, apontando “suspeitas nos círculos europeus segundo as quais a AstraZeneca vendeu as mesmas doses várias vezes”.

A AstraZeneca rejeita a acusação e apesar desses problemas, as ações do grupo na bolsa de valores ganharam 3% esta semana.

Veja também
+ Nicole Bahls já havia sido alertada sobre infidelidade do ex-marido
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ ‘Transo 15 vezes na semana’, diz Eduardo Costa ao revelar tratamento por vício em sexo
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago