Brasil

‘Temos um beócio na Presidência’, diz Marco Antonio Villa

Crédito: IstoÉ

O historiador Marco Antônio Villa participou de uma live da IstoÉ, na terça-feira, 15. Na conversa com o diretor de redação da revista, Germano Oliveira, Villa faz uma análise desconcertante da política do País. Ele traça cenários de possíveis rupturas e contratempos como a queda do presidente da República.

Em tempos de pandemia, ele analisa as medidas tomadas pelo poder central no combate ao coronavírus e, sem rodeios, classifica Bolsonaro como genocida. Para ele, o Brasil está em meio a um caos generalizado em todas as áreas. “Nós temos o pior governo da história republicana. Ninguém salva. Temos um beócio na Presidência da República”, disse.

Bacharel em história, mestre em sociologia e doutor em história social pela USP, atualmente Villa mantém um canal no YouTube, no qual comenta notícias do dia. Para ele, que comemorou a derrota de Fernando Haddad (PT), em 2018, chegando aa dizer que “foi um dia histórico; uma derrota do projeto criminoso de poder petista que assolou o Brasil”, a situação atual é catastrófica.

“A irresponsabilidade chegou a um nível que é caso de interdição judicial. Temos que colocar na cabeça que tem um idiota no poder.”

Ele não poupa ninguém. Bate pesado nas elites, nos políticos de centro, que dão governabilidade ao governo. “O Centrão mata a mãe e entrega o corpo.”


+ Grávida do quinto filho, influenciadora morre aos 36 anos
+ Após assassinar a esposa, marido usou cartão da vítima para fazer compras e viajar com amante

Diz-se na Wikipédia que Villa não tem orientação ideológica autodeclarada, mas que se diz um “radical republicano”. Nas redes sociais e para colegas da academia, ele é reconhecido como um comentarista político de direita.

Controvérsias à parte, ao certo, Villa, na conversa, dispara sua já conhecida metralhadora giratória contra o governo federal e a turba da Esplanada do Ministério. Numa verborragia alucinante, sem papas na língua e com conhecimento histórico do cenário político nacional, ele falou sobre a questão da vacina contra o coronavírus e a politização da saúde.

“Só quem é ignorante, obtuso e medíocre, como Bolsonaro, pode falar mal do Butantan”, avalia. “A vacina é a condição sine qua non para salvarmos vidas e recuperar a economia.”

Villa, que também é articulista da revista IstoÉ, afirma que Bolsonaro é responsável pelas mais de 180 mil mortes ocorridas pelo Covid-19 no Brasil e que deve ser julgado e condenado pela Justiça pelas atrocidades que vem praticando.

“É criminoso de lesa-humanidade”, diz. Para ele, “os militares que estão em poder na Esplanada dos Ministérios são todos traidores”. Ainda na avaliação do historiador, “o panorama dos próximos meses é terrível. Bolsonaro quer levar o país à convulsão, à catástrofe, para assim dar sua cartada na democracia.

Ao descrever as mazelas nacionais e a caótica situação política, alerta que o presidente não concluirá o mandato presidencial. Diz mais. Ele entende que o Brasil, no pós-Bolsonaro, a sociedade terá que ter como árdua tarefa por fim ao ódio que está incrustado na sociedade.

“O ódio está petrificado. Não dá só para varrer e jogar no lixo. Vai ter que haver uma desbolsonarização do Brasil. Onde há ódio, não existe espaço democrático”, conclui.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Cientista desvenda mistério do monstro do Lago Ness. Descubra!
+ 6 fotos em que o design de interiores do banheiro foi um fracasso total. Confira!
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel