Esportes

Técnico dos Warriors usa coletiva para cobrar governo após mortes por atiradores: ‘Já chega!’

Crédito: AFP

O  jogo quatro das finais da Conferência Oeste da NBA entre Golden State Warriors e Dallas Mavericks poderia ter decretado o fim da série e garantido o time de Stephen Curry na final da NBA deste ano. No entanto, com ótimo aproveitamento das bolas de três, o time do Texas venceu por 119 a 109 e conseguiu um fio de esperança ao diminuir a vantagem nos playoffs para 3 a 1.

Após a partida, o que era para ser mais uma coletiva do ex-jogador de basquete e atual técnico dos Warriors, Steve Kerr, mudou totalmente de sentido. O treinador se mostrou completamente revoltado com os recentes casos de atiradores nos Estados Unidos.


“Não vou falar sobre basquete, nada aconteceu com o nosso time nas últimas seis horas. Vamos começar da mesma forma hoje, perguntas sobre basquete não importam. Depois que saímos do treino, crianças foram mortas a 650km daqui, além de uma professora”, começou o técnico ao se referir às vítimas de atentado nos Texas, nos Estados Unidos, que deixou 19 crianças e dois adultos mortos.

AFPSAN FRANCISCO, CALIFORNIA – MAY 20: Head coach Steve Kerr and Stephen Curry #30 of the Golden State Warriors look on during the first quarter against the Dallas Mavericks in Game Two of the 2022 NBA Playoffs Western Conference Finals at Chase Center on May 20, 2022 in San Francisco, California. NOTE TO USER: User expressly acknowledges and agrees that, by downloading and/or using this photograph, User is consenting to the terms and conditions of the Getty Images License Agreement. Harry How/Getty Images/AFP (Photo by Harry How / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / Getty Images via AFP) (Crédito:AFP)

“Visivelmente abalado, o técnico continuou: “E nos últimos 10 dias, idosos negros foram mortos em um supermercado em Buffalo [cidade norte-americana]. Asiáticos que estavam na igreja foram mortos no sul da Califórnia e agora crianças foram mortas na escola”, disse o treinador ao citar outros casos que ocorrem nas últimas semanas.

Batendo sobre a mesa, Steve cobrou medidas mais enérgicas do governo norte-americano: “Quando é que vamos fazer alguma coisa? Estou cansado de vir aqui e oferecer meus sentimentos às famílias que foram devastadas. Estou cansado dos minutos de silêncio. Já chega!”

Nesse momento, o técnico dos Warriors direciona os protestos para os senadores dos Estados Unidos. Segundo Kerr, os parlamentares tem um projeto de lei que pode ajudar no combate a esses tipos de casos, mas agem com morosidade. “Tem um motivo para não votarem: manterem o poder”, acusa o ex-companheiro de Michael Jordan no Chicago Bulls.

O oito vezes campeão da NBA, três como técnico dos Warriors e três como jogador dos Bulls e dois pelo San Antonio Spurs, ainda pediu que todos façam um exercício de reflexão e se coloquem na situação dos familiares das vítimas dos atiradores.

“Não podemos ignorar, não dá para sentar aqui, ler o que aconteceu, fazer um minuto de silêncio e pronto”, ressaltou.