Esportes

Técnico do Corinthians minimiza falta de vitórias em clássicos e lembra histórico

O tropeço do Corinthians em mais um clássico não preocupou o técnico Vítor Pereira. O português minimizou o empate por 1 a 1 com o São Paulo, na Neo Química Arena, e a sequência sem vitórias sobre os maiores adversários da equipe alvinegra. E lembrou do seu histórico de triunfos sobre arquirrivais pelos clubes que já comandou, em outros países.

“Sabem quantos clássicos já ganhei na minha vida? Para mim, este foi o primeiro clássico que joguei não só em casa, mas com trabalho para dar resposta em um clássico. Vocês estão sempre a dizer que não ganhei clássicos. Eu já ganhei muitos clássicos. Vão ver em Portugal, na Grécia, na Turquia, na China. Vejam quantos clássicos já ganhei”, comentou.


Foi o quinto clássico disputado pelo Corinthians sob o comando do treinador português. São quatro derrotas e agora um empate. Antes de chegar ao time brasileiro, Vítor Pereira ganhou o último clássico que disputou, no comando do Fenerbahce. Sua equipe venceu o Galatasaray por 2 a 2, fora de casa, pelo Campeonato Turco, em novembro do ano passado.

Em solo brasileiro, Vítor Pereira fez sua estreia pelo Corinthians logo em um clássico, na derrota por 1 a 0 para o São Paulo, fora de casa, em 5 de março. Apenas dois jogos depois, o adversário foi o Palmeiras, também pelo Paulistão: revés por 2 a 1, novamente longe da torcida. Na semifinal do Estadual, novo confronto com o São Paulo. E derrota por 2 a 1.

Pelo Brasileirão, o revés mais duro veio contra o Palmeiras, por 3 a 0, mais uma vez fora de casa. O clássico com o São Paulo, no domingo, foi o primeiro em casa, e também o primeiro sem derrota.

Para Vítor Pereira, nos três primeiros jogos contra rivais ele ainda não conhecia bem o time e estava apenas iniciando o trabalho no Corinthians. “Quando cheguei, joguei três clássicos sem estarmos minimamente preparados”, argumentou. “Depois tivemos o Palmeiras, que eventualmente a equipe tinha de dar outra resposta e não deu, porque tinham muitos jogadores doentes, com problemas. Se calhar eu já estava com covid-19, porque me doía o corpo todo.”

Segundo o treinador, o primeiro clássico em que o Corinthians jogou já com a “sua cara” foi o deste domingo. “Hoje foi o clássico que devíamos estar preparados. A primeira parte não correu bem, mas buscamos o plano B e demos uma resposta diferente. Do ponto de vista tático, vimos uma segunda parte totalmente diferente, do nível que temos de estar para jogar um clássico, contra uma grande equipe”, ponderou.