Cultura

Tarsila e Paul Klee chegam a SP em 2019

Do modernismo canônico de Tarsila do Amaral à diversidade de experimentações do alemão Paul Klee, o ano de 2019 vai estar repleto de atrações importantes para os fãs da arte em São Paulo. No Masp, o ano vai ser inteiramente dedicado a artistas mulheres, com destaque também para o movimento feminista. O ano começa com uma exposição individual de Djanira da Motta e Silva (1914-1979), A Memória de Seu Povo, em cartaz entre março e maio, antes de seguir para a Casa Roberto Marinho, no Rio, onde estará entre junho e outubro.

Em seguida, estreiam mais individuais sobre o trabalho de Lina Bo Bardi (1914-1992) e Tarsila do Amaral (1886-1973) – Tarsila Popular é a primeira grande mostra da artista desde a retrospectiva Inventing Modern Art in Brazil, no Museu de Arte Moderna de Nova York, em 2018.

Com 120 obras, a exposição, de acordo com comunicado do Masp, “busca enfatizar seus personagens, temas e narrativas, especialmente em relação a questões sociais, políticas, raciais e de classe, bem como chamar atenção para as aproximações com a arte popular e vernacular”.

A maior mostra do ano no museu, no entanto, será coletiva e dividida em duas partes, de agosto a novembro. Histórias das Mulheres terá foco na produção do século 16 até o final do século 19, com pinturas de retratos, naturezas-mortas, paisagens e cenas históricas e religiosas.

Já Histórias Feministas terá artistas de diferentes nacionalidades para abordar as questões do feminismo no século 21. O Masp terá ainda mais três exposições individuais em 2019, das artistas Anna Bella Geiger, Leonor Antunes e Gertrude Goldschmidt (1912-1994), esta última em parceria com a Fundación Jumex, do México, o Museu d’Art Contemporani de Barcelona e a Tate, de Londres.


+ Grávida do quinto filho, influenciadora morre aos 36 anos
+ Após assassinar a esposa, marido usou cartão da vítima para fazer compras e viajar com amante

No Centro Cultural Banco do Brasil, o maior destaque do ano será uma grande exposição focada no artista alemão Paul Klee (1879-1940), que vai rodar por Rio de Janeiro, Belo Horizonte e São Paulo, onde será aberta ao público já no dia 13 de fevereiro. Equilíbrio Instável, de acordo com o CCBB, foi especialmente preparada para o público brasileiro e contará com mais de 100 obras do artista, sendo 16 pinturas, 39 papéis, 5 gravuras, 5 fantoches e 58 desenhos, além de objetos pessoais de Klee.

A mostra conta com peças do acervo do museu Zentrum Paul Klee, de Berna (Suíça), que desde 2005 se dedica à preservação, catalogação, difusão e pesquisa em torno da vida e obra do artista. As obras retratam as experimentações de Klee pelo cubismo, expressionismo, construtivismo e surrealismo.

Já na Pinacoteca do Estado, a maior exposição do ano será coletiva, mas a partir dos trabalhos do também alemão Joseph Beuys, que, com sua obra usando várias técnicas, se tornou um dos mais influentes do seu país no século 20. Artistas brasileiros e estrangeiros serão colocados, na mostra, em paralelo às obras de Beuys.

O museu vai receber, ainda, uma série de exposições individuais, como a do carioca Ernesto Neto, a maior delas, e a da portuguesa Grada Kilomba. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Previsões de Nostradamus para 2021: Asteróide e ‘fim de todo o mundo’
+ 6 fotos em que o design de interiores do banheiro foi um fracasso total. Confira!
+ De biquíni verde cavado Lívia Andrade arranca elogios da web ao tomar banho de sol
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel