USP

tinha 56 anos
estudante de geografia
sem balbúrdia
para melhorar o diagnóstico