Síndrome

sequelas podem evoluir