Geral

Sylvia Earle: “O que fazemos ao oceano, fazemos a nós mesmos”

Crédito: Divulgação

Maior referência mundial em vida marinha, a oceanógrafa americana Sylvia Earle, 82 anos, foi a primeira mulher cientista a chefiar a Administração Nacional do Oceano e Atmosfera dos EUA, o equivalente para os mares ao que a NASA é para o espaço. Autora do livro “A Terra é Azul”, lançado este ano no Brasil, ela se encontrou recentemente com o presidente Michel Temer em Brasília e pediu a aprovação da proposta de criação de áreas de proteção marinha. Apesar de já ter passado dos 80 anos, Sylvia ainda viaja por todo o mundo para mergulhar e estudar a recuperação de áreas degradadas por anos de exploração humana. Nesta entrevista dada à ISTOÉ por email, enquanto estava em Portugal, ela alerta para o dano que o excesso de plástico representa para os animais marinhos, se diz preocupada com a pesca excessiva e afirma que o Brasil tem o papel de proteger as águas dos rios.

Qual é a importância do oceano no equilíbrio da Terra?

Sem o oceano, a Terra se pareceria muito com Marte. O oceano suporta o clima que é favorável à vida na Terra, incluindo a vida humana. A chave para a existência da vida é a água e 97% da água do mundo é oceano. Sem eles a Terra ficaria sem vida, sem azul, sem verde.

Por que os oceanos são mais afetados pela atividade humana que outros ecossistemas?

Nós costumávamos pensar que o oceano era tão grande, profundo e vasto que nada poderia afetá-lo. Agora sabemos que isso não é verdade. Como quase 40% da população humana total mora menos de 50 km da costa, os impactos são amplificados.

Como eles foram afetados pela atividade humana ao longo dos anos?

A combinação do que tiramos e do que colocamos nele que é muito prejudicial. A pesca industrial está tirando a vida do mar em um ritmo acelerado. Plásticos, esgoto e outros resíduos fluem todos os dias. O ruído dos navios cresceu dramaticamente. Agora, com a perturbação climática e o aquecimento do oceano, os recifes de corais estão em sérios apuros. Sem a proteção dos recifes, temos tempestades maiores e mais danosas impactando os humanos.

Quais são os principais desafios hoje?

São a soma dos problemas que vem crescendo, como a pesca. Nós já consumimos mais de 90% de grandes espécies como o atum e o peixe-espada e, mesmo assim, ainda os pescamos. São animais de vida longa. Um fazendeiro não mantém o gado por 20 anos, mas nós capturamos e comemos peixes que têm pelo menos essa idade, alguns muito mais velhos e lentos para se reproduzir. Tirar peixe do oceano não é uma solução para alimentar muitas pessoas e não é sustentável nos modelos atuais.

Há mais questões?

Temperaturas mais quentes são outro fator da lenta recuperação de algumas espécies, mesmo com a proteção contra a pesca excessiva. Plásticos e outros materiais residuais que correm para o oceano são um desastre para a vida selvagem no oceano e agora afetam a saúde humana também. Peixes que as pessoas consomem frequentemente contêm mercúrio e os moluscos estão filtrando micro plásticos com as algas que normalmente comem. O que fazemos ao oceano, fazemos a nós mesmos.

Em 2015 a ONU incluiu a proteção aos oceanos nas 17 metas de desenvolvimento sustentável, que devem ser cumpridas até 2030. Algo mudou desde então?

Houve algumas mudanças positivas com os países que se mobilizaram para proteger áreas muito grandes no mar. Também tenho visto mais esforços para proteger áreas próximas à costa, importantes para a recuperação de populações de peixes e, assim, agregar maior valor através do turismo. No entanto, o progresso é lento e o tempo é crítico. Precisamos agir mais rápido.

Uma recente pesquisa publicada na Scientific Reports descobriu que A Grande Mancha de Lixo do Pacífico está crescendo exponencialmente. O que isso significa?

Todo o plástico que já criamos ainda existe hoje. Quando jogamos algo “fora”, não existe fora. Tudo isso vai para algum lugar. Plástico é algo que foi projetado como um bem durável, mas que mudou para aplicações descartáveis. É uma evidência de que ainda não estamos colocando sistemas naturais e o meio ambiente na balança econômica. Há uma maior consciência agora, mas isso não resolverá o problema dos plásticos nos oceanos. O primeiro trabalho a fazer é reduzir bastante, esperamos eliminar os plásticos de uso único e então garantir que a coleta e a reciclagem aconteçam.

Existem fatos da história que impactam até hoje nos oceanos?

A primeira e a segunda Guerra Mundial nos deixaram com milhares de navios naufragados no fundo do mar e muitas áreas onde as munições não detonadas ainda persistem, perdidas ou despejadas intencionalmente. Uma grande esteira de alcatrão está no chão do Golfo do México, um lembrete do vazamento de petróleo de Ixtac na costa do México na década de 1970. O petróleo ainda pode ser encontrado nas praias de Valdez, no Alasca, quando retiramos alguns centímetros de cascalho. A enorme cratera no Bikini Atoll ainda é estéril, onde bombas nucleares foram testadas e as pessoas ainda não podem viver com segurança nas ilhas próximas. Mais uma vez, esses impactos importantes ocorreram em um período de tempo muito curto, menos de 200 anos.

O que precisa ser feito para retardar ou reverter danos feitos até hoje?

Precisamos continuar fazendo as coisas que estão funcionando, como estabelecer as áreas marinhas protegidas para dar às espécies excessivamente pescadas uma chance de se recuperarem. Mais pessoas, especialmente crianças, tem de estar mais diretamente envolvidas na exploração do oceano. Muitos visitam a praia, mas quantos colocam uma máscara para ver o que está acontecendo abaixo da superfície? Eu gostaria de ver financiamento para a ciência, exploração e pesquisa no oceano igual ou superior ao que está sendo gasto em atividades extrativistas e ciência, exploração e pesquisa no espaço.

O que as pessoas comuns podem fazer?

Todos podem e fazem a diferença todos os dias, tanto pelo que fazemos como pelo que deixamos de fazer. Coisas muito simples, como não usar canudos de plástico ou outro plástico de uso único. Pense em como seus talentos podem ser usados. Se você é arquiteto, projete prédios para usar menos ar condicionado e mais ventilação natural. Se você é um artista, compartilhe suas histórias de inspiração no oceano. Você é engenheiro ou designer? Como seus produtos podem ser mais duráveis e mais recicláveis no final da vida útil? Ao trabalhar em torno da casa e do jardim, escolha métodos e produtos menos tóxicos.

Qual é o papel do Brasil dentro desse cenário?

O Brasil tem quase 7500 km de litoral com belos recifes e praias. É também a casa do Encontro das Águas, a maior bacia de drenagem do mundo, levando ao Oceano Atlântico. O Brasil tem o papel de proteger o que acontece nas águas dos rios.

Algumas características da nossa região nos levam a ter um papel específico?

A combinação da longa extensão costeira e a maior bacia hidrográfica do mundo, combinada com regiões grandes e intactas da floresta, dão ao Brasil um papel vital na estabilização. É importante reverter danos. Partes do Brasil sofreram escassez severa de nosso recurso mais precioso, água potável. Agora sabemos que a causa foi o desmatamento. Ao restaurar os sistemas naturais, mantemos sistemas que podem nos sustentar.

Qual é a tua opinião sobre as novas áreas de proteção que foram criadas no Brasil?

Esse compromisso significa que um futuro mais duradouro pode ser realizado. Espero que mais pessoas visitem estas áreas agora e no futuro para serem testemunhas de mudanças positivas. Hoje, os idosos da comunidade podem nos dizer quanta biodiversidade foi perdida durante sua vida. Não seria maravilhoso se as crianças de hoje pudessem um dia mostrar aos seus netos o quanto foi restaurado?

Você acredita que alguns países possuem mais responsabilidade em cuidar dos Oceanos?

Não importa onde moramos, o oceano nos conecta a todos. Enquanto alguns países podem tomar medidas mais diretas em virtude de suas linhas costeiras e ZEEs (exclusive economic zone), temos uma responsabilidade global de cuidar dos sistemas que cuidam de nós. O oceano é o coração azul do sistema. O alto mar, a ampla área do oceano além da jurisdição nacional, os bens globais que ocupam cerca de metade do planeta, rendem benefícios para todos nós, não importa onde moramos, e todos nós devemos apoiar a proteção contra danos causados ali por um pequeno número de nações.

Como o cuidado e também o investimento na preservação dos oceanos deve se configurar?

A primeira melhor coisa que todos os países podem ajudar é a proteção do alto mar. Daí muito dependerá de liderança e visão para o futuro. Nós vemos um país como Cuba que protegeu suas águas há muitas décadas e esses recifes estão em muito boas condições até hoje.

Qual é o custo da preservação os oceanos?

Não é uma questão de quanto dinheiro é necessário para preservar os oceanos – a questão é quanto nos custará se não o fizermos? Já estamos pagando agora com sistemas e danos de tempestades muito mais fortes, secas e o colapso da pesca.

Qual é o retorno que as unidades de conservação dão para o seu país?

Além dos bilhões de dólares economizados em danos causados por tempestades, o aumento do turismo pode trazer um retorno muito mais alto e sustentável do que a exportação de animais selvagens oceânicos. Observe o benefício econômico que o turismo terrestre, responsável e pensado, traz para uma área – toda a comunidade se beneficia. O valor de um tubarão no mercado pode ser de cinquenta a cem dólares, mas esse tubarão vivo, ao longo de sua vida útil, pode valer mais de dois milhões de dólares em receita associada ao turismo que permanece na comunidade. Esse benefício nem inclui o valor de cada tubarão para manter ecossistemas saudáveis.

Qual é sua opinião sobre as Metas de Aichi? Existe a crítica de que elas desprezam áreas menores.

São apenas metas para ajudar a guiar os governos e os formuladores de políticas de uma maneira bem organizada. A maneira mais rápida de atingir esses objetivos é reservar grandes áreas na terra e no mar para proteção, o quanto antes, e dar uma chance de recuperação aos sistemas naturais que exploramos muito. No entanto, também não podemos ignorar as áreas menores. Isso significa que precisamos de um mecanismo para ouvir os cidadãos locais, cientistas e observadores que reconheçam que uma área menor justifica reconhecimento e proteção especiais. Isso faz parte da ideia por trás do Hope Spots. É uma maneira de as pessoas colaborarem com os cientistas para nomear uma área para proteção. Também precisamos gastar mais tempo nas áreas estratégicas para avaliar como a proteção está funcionando. Isto é especialmente verdade no oceano. Precisamos de mais tecnologia, especialmente submersíveis, para observar diretamente o que está acontecendo abaixo da superfície.

Você ainda viaja bastante, mesmo depois dos 80 anos…

Estive em Portugal em abril falando sobre muitos desses mesmos assuntos. Na semana anterior eu estava mergulhando em Manado, na Indonésia. Foi maravilhoso ver que os recifes estavam em melhores condições do que na maioria dos recifes tropicais em todo o mundo. Os cidadãos locais estão trabalhando para ter a área designada como um Local da Esperança, com proteção especial para os tubarões.

Quais dificuldades você enfrentou para conquistá-lo?

Acho pessoalmente difícil enfrentar o volume de marketing / publicidade que é focado em ganhos de curto prazo. Precisamos celebrar e apoiar as empresas que estão fazendo sua parte para melhorar a sustentabilidade, reduzir o uso de plástico e aumentar a capacidade de reciclagem de seus produtos / embalagens. Precisamos de maior transparência em relação a todos os produtos de consumo, de alimentos a roupas e eletrônicos, para tornar mais fácil recompensar empresas responsáveis com nosso poder de compra.

Há algum novo projeto?

Um objetivo é democratizar o acesso aos oceanos – dar a qualquer pessoa que queira explorar abaixo da superfície uma oportunidade para fazê-lo. O projeto Deep Hope é uma maneira que qualquer um pode ajudar a tornar essa meta uma realidade.

Você encontrou alguma dificuldade profissional pelo fato de ser mulher?

Quando chegou a hora de decidir se deveria haver uma equipe feminina de aquanautas para o programa Tektite, o gerente do programa disse: “Bem, metade dos peixes são fêmeas, então por que não?” Eu usei esse otimismo “porque não” muitas vezes desde então.

 

Veja também

+ Confira 4 dicas para descobrir se o mel é falsificado

+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"

+ MG: Pastor é preso por crime sexual e alega que caiu em tentação

+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por desconto de até 50% na parcela

+ Telefone de jornalista argentino roubado ao vivo em Buenos Aires

+ Márcia Bonde divulga vídeo e deixa fãs sem fôlego

+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

+Vídeo mostra puma perseguindo um corredor em trilha nos EUA

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar