Mundo

Suprema Corte de México lança série de TV para conscientizar sobre feminicídios

Suprema Corte de México lança série de TV para conscientizar sobre feminicídios

Policiais em frente à casa do serial killer de mulheres Andres, preso em Atizapan, no México, em 20 de maio de 2021 - AE/AFP

A Suprema Corte do México lançou nesta quarta-feira (18) uma série de televisão sobre a história real de um assassino em série de mulheres, a fim de criar consciência na sociedade sobre os feminicídios.

“Caníbal, indignación total” é o título da série documental baseada no caso de Andrés, um homem de 72 anos capturado há um ano em Atizapan, um subúrbio da capital, que se declarou culpado de assassinar mulheres e enterrá-las em seu jardim. As vítimas seriam ao menos 19.


“Este caso serve para entender o fenômeno dos feminicídios no México (…). Vamos conseguir tocar consciências e dar visibilidade às meninas e mulheres do México que estão sendo mortas e desaparecendo”, disse em coletiva de imprensa Arturo Zaldívar, presidente do mais alto tribunal.

Uma prévia da série, que tem cinco capítulos, mostra os policiais responsáveis pela captura, vizinhos e especialistas falando sobre o caso, que ganhou amplo espaço na mídia.

O magistrado lamentou que a sociedade mexicana pareça estar “acostumada” com a violência, de forma que “as garotas que desaparecem são parte da paisagem”.

“Nos damos conta do nível de ineficiência, frivolidade e desprezo com que são tratadas as famílias e investigados os casos”, afirmou Zaldívar.

Em paralelo à violência ligada ao crime organizado que aflige o México há 16 anos, surgiu uma onda de agressões e assassinatos de mulheres.

Em 2021, segundo dados oficiais, houve 3.751 assassinatos de mulheres (1.004 deles classificados como feminicídios), e a maioria segue impune.

A série, observou Zaldívar, foi feita “com enorme seriedade e cuidado, não busca gerar morbidez, mas sim provocar reflexão, e não foca tanto em buscar culpados, mas sim apontar soluções”.

“Caníbal, indignación total” estreará em 27 de junho na Televisa, o maior canal em espanhol do mundo, que cedeu tempo de tela à Suprema Corte mexicana.