Brasil

SP prorroga quarentena, mas flexibiliza medidas por regiões

SÃO PAULO, 27 MAI (ANSA) – O governador do estado de São Paulo, João Doria, anunciou uma prorrogação da quarentena por 15 dias com flexibilizações progressivas e por região. Chamado de “Retomada Consciente”, o programa todo será dividido em cinco fases e terá início na próxima segunda-feira (1º/6). “Estamos anunciando a retomada consciente a partir do dia 1º de junho. A partir do dia 1º de junho, por 15 dias, manteremos a quarentena, porém, com uma retomada consciente de algumas atividades econômicas no estado de São Paulo”, disse Doria ao abrir o pronunciamento.   

Segundo o governador, “esse é um cuidadoso e bem planejado passo adiante”. “Se precisarmos dar um passo atrás, não hesitaremos em fazê-lo para proteger vidas. Temos um compromisso com a saúde, com a vida, com medidas certas e bem praticadas”, disse. Doria ainda pediu uma “atitude responsável” de cada pessoa porque isso será “fundamental durante a Retomada Consciente”. – Fases e serviços: A primeira fase é a atual, em alerta máximo, com o funcionamento de serviços essenciais apenas. A seguinte, batizada de “Fase 2 – laranja”, já inclui a reabertura de mais serviços, mas com um controle mais rígido ainda nas questões de segurança.   

Na terceira e quarta, há a reabertura de um maior número de setores e a cinco foi batizada de “normal controlado”, onde todos os setores funcionam, mas com distanciamento social e medidas de higiene.   

Atualmente, estão liberados para funcionamento as indústrias não essenciais e a construção civil – além dos serviços básicos (supermercados, farmácias e centros médicos). Na Fase 2, serão liberadas as atividades imobiliárias, concessionárias, escritórios, comércio e shopping centers.   

Na Fase 3, reabrem bares, restaurantes e similares e salões de beleza. Na Fase 4, estão liberadas as academias. Já a educação e o transporte não tem data definida para serem retomadas completamente e o anúncio será feito mais adiante. Teatros, cinemas e eventos que incluam aglomeração de pessoas – incluindo os esportivos – só poderão ser reabertos após a Fase 5, com uma análise futura do governo.   

A mudança entre as fases, segundo Doria, terá como base “uma redução consistente do número de casos, disponibilidade de leitos em seus hospitais públicos e privados e estiverem obedecendo o distanciamento social nos ambientes públicos”. – Regiões: Segundo o anúncio, a cidade de São Paulo entrará na fase dois do modelo, com os setores precisando apresentar o planejamento para a reabertura dos serviços. Assim como na capital, caberá sempre as prefeituras decidir o que pode ou não reabrir seguindo os protocolos do Estado.   

A cada sete dias, haverá uma reclassificação por região e a mudança para novas fases só ocorrerá a cada 15 dias. O plano aponta que os padrões mínimos para a retomada são ter taxa de isolamento de pelo menos 55%, uma redução nos casos por 14 dias e uma ocupação de leitos inferior a 60%.   

Na Fase 1, permanecem a Grande São Paulo, a Baixada Santista e a região de Registro. Na Fase 2, estão a cidade de São Paulo, Araçatuba, Campinas, Marília, Franca, São José do Rio Preto, Sorocaba, São João da Boa Vista, Ribeirão Preto e Piracicaba.   

Mais avançadas, já na Fase 3, estão Araraquara/São Carlos, Barretos, Bauru e Presidente Prudente.   

Segundo o comitê do governo, sem isolamento o estado teria 950 mil casos – contra os pouco mais de 86 mil infecções registradas. Ainda conforme o grupo, foram 65 mil vidas salvas por conta das medidas restritivas.   

O estado de São Paulo é o epicentro da pandemia no país, com 86.017 casos confirmados e 6.423 óbitos. (ANSA)

Veja também

+ Entenda como a fase crítica da pandemia de Covid-19 pode ter sido superada em SP
+ Hamilton bateu de novo em Albon; veja memes da F1
+ Pandemia adia cirurgia e saúde de Schumacher piora
+ Ford Ranger supera concorrentes e é líder de vendas
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Cantora Patricia Marx se assume lésbica aos 46 anos de idade
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior