Geral

SP: Corpo esquartejado pode ter sido ato de vingança do PCC, diz a polícia

Crédito: Reprodução/Instagram @suzano24horas

Bilhete deixado ao lado do corpo esquartejado (Crédito: Reprodução/Instagram @suzano24horas)

No domingo (16), a Guarda Municipal de Suzano (SP) encontrou um corpo esquartejado na Estrada das Neves, na Vila Barros. Ao lado dos restos mortais havia um bilhete que indicava um acerto de contas. A Divisão de Homicídios investiga se esse assassinato foi um ato de vingança pela morte de dois integrantes do Primeiro Comando da Capital (PCC), em dezembro de 2021. As informações são do colunista do UOL Josmar Jozino.

“Esse pilantra foi cobrado em cima da covardia que ele fez em cima dos nossos irmãos Anselmo e Sem Sangue”, dizia o bilhete escrito à mão.


As duas vítimas às quais o bilhete se refere são Anselmo Becheli Santa Fausta, de 38 anos, conhecido como Magrelo, e Antônio Corona Neto, 33, o Sem Sangue, que foram mortos a tiros no dia 27 de dezembro de 2021.

Anselmo era suspeito de comandar o tráfico de drogas na comunidade Caixa D’Água, na zona leste de São Paulo. E também atuava, em parceria com o PCC, na exportação de entorpecentes.

De acordo com o Ministério Público do Estado de São Paulo, as duas vítimas eram ligadas a Rogério Jeremias de Simone, conhecido como Gegê do Mangue, e Fabiano Alves de Souza, o Paca, que foram mortos a tiros em fevereiro de 2018.

Após a morte de Gegê do Mangue e Paca, teve início um conflito interno no PCC.

Corpo esquartejado

Depois de localizado pelos guardas municipais, o corpo foi levado para o Instituto Médico Legal (IML) da região. Segundo a Polícia Civil, o homem ainda não foi identificado.

Agora, a Divisão de Homicídios de Suzano investiga se o homem esquartejado foi mais uma vítima dessa guerra interna do PCC.