Edição nº2551 09/11 Ver edições anteriores

Sonho ou pesadelo?

A tela do celular indicava o dia 10 de abril de 2019. Completava-se cem dias de um novo governo. As manchetes dos principais jornais, no entanto, pareciam ter sido impressas anos antes. Com algumas variações, todas mostravam o drama de comerciantes e pequenos empreendedores que viam fatias razoáveis de seus faturamentos serem garfadas por fiscais da Receita, tanto federal como estadual e municipal. Levavam a grana em troca de vistas grossas à uma enormidade de irregularidades nos estabelecimentos. Como nos anos anteriores, trabalhadores não recebiam nota fiscal pelo que consumiam e a sonegação corria solta em todos os níveis. A diferença dos anos anteriores é que agora nem os fiscais nem seus corruptores ou sonegadores reclamavam ou eram punidos. Ainda viviam o regozijo da mudança que promoveram no País em 29 de outubro do ano anterior. O perigo vermelho fora afastado, o imperialismo yankee não estava mais ameaçado e a corrupção dos últimos 16 anos era uma mazela soterrada, resolvida no grito. Aquilo que se repetia entre fiscais e cidadãos não era corrupção. Apenas o jeitinho brasileiro.

Esses mesmos contribuintes, que alimentavam os agentes públicos, agora promoviam uma festiva corrida às escolas particulares para cancelar as matrículas de seus filhos. A escola pública estava bombando. Regras de escotismo e professores armados asseguravam a disciplina. A tabuada era decorada e as datas históricas idem. Desenvolver o pensamento, despertar senso crítico e outras bobagens assim eram coisas do passado. Sepultadas junto com os corruptos de vermelho.

No Congresso, a negociação por maioria envolvia legendas como MDB, PP, DEM, PSDB e outras menos cotadas. O toma-lá-dá-cá era chamado de aproximação, a distribuição de cargos corria solta e os feudos repartidos com porteira fechada. Tudo sem nenhum problema, pois os corruptos vermelhos estavam na cadeia. Nas ruas, brancos e bem vestidos sentiam-se seguros. Os demais eram averiguados. Na rede de saúde mental, garotos que adoravam música clássica e gostavam de tocar piano retiravam senhas para serem avaliados. E meninas que gostavam de jogar futebol eram encaminhadas a casas de formação evangélica.

Acordei repentinamente. Estava ainda em 2018. Fiquei, contudo, preocupado. Será que o sonho de liquidar com a corrupção dos vermelhos a qualquer preço poderá virar o pesadelo de amanhã? Os dados estão lançados e, seja qual for o resultado das urnas, seria muito legal se todos assumissem o compromisso de lutar para que a democracia e a paz sejam mantidas.

Seja qual for o resultado das urnas, seria muito legal se todos assumissem
o compromisso de lutar para que a democracia e a paz sejam mantidas


Mais posts

Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.