Sob o signo da jequice

Lamentável o vício das elites brasileiras de maquiar currículos universitários. Por aqui, falsificam-se diplomas à vontade. Transforma-se uma viagem de turismo em um curso de pós-graduação; uma atividade de extensão mequetrefe em um doutorado. Mesmo achando que intelectuais não servem para nada, os medalhões da República querem o verniz da formação universitária no exterior. Agora é o ministro indicado por Bolsonaro para o Supremo Tribunal Federal (STF), Kassio Marques, que inventou um diploma de pós-graduação em “Contratación Pública” na Universidade da La Coruña, na Espanha. A instituição desmentiu a informação e disse que Marques, na verdade, teve quatro dias de aula no chamado “Curso Euro-Brasileiro de Compras Públicas”, sem qualquer importância acadêmica.

Mesmo achando que intelectuais e acadêmicos não servem para nada,
os medalhões da República querem o verniz
da formação universitária no exterior

Virou rotina a nomeação de membros no alto escalão do governo com diplomas maquiados. No Ministério da Educação três ministros foram flagrados com a boca na botija: Ricardo Vélez, Abraham Weintraub e Carlos Alberto Decotelli, que nem chegou a ser nomeado por causa das mentiras no currículo. A ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, também foi pega em flagrante. No STF, antes de Marques, houve o caso de Alexandre de Moraes, acusado de ter cometido plágio na sua tese de doutorado. A ex-presidente Dilma Rousseff também cedeu à tentação de colocar experiências imaginárias no currículo. Inventou cursos de mestrado e doutorado na Unicamp. Todos querem ser mestres, doutores e usufruir de um prestígio indevido.

Mas o que leva uma pessoas a falsificar seu currículo? Primeiro uma falha de caráter, uma atração pela mentira e pelo engano, uma falta de vergonha na cara. Depois a vontade de impressionar e exibir conquistas acadêmicas inexistentes. Pega bem uma pós-graduação no exterior. E, finalmente, claro, obter alguma vantagem, dizendo que é melhor do que é, mais inteligente do que é. Seja como for, trata-se de uma grande tolice e de um tipo de prática desprezível, só entendida pela falta de refinamento das elites brasileiras e por uma vaidade exagerada. A mentira virou uma rotina no currículo dos poderosos locais e transcende qualquer ideologia. Num governo que despreza a educação chega a ser surpreendente a preocupação com o status que ela proporciona. É mais uma prática condenável num País de jecas.

+ “Filho é um inferno e atrapalha”, diz Fábio Porchat sobre não querer ser pai

Veja também

+ A incrível história do judeu que trabalhou para os nazistas na Grécia
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por desconto de até 50% na parcela
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel
+Vídeo mostra puma perseguindo um corredor em trilha nos EUA
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês
+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Educar é mais importante do que colecionar


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.