Só eleições gerais podem salvar o País

Nos quatro cantos do País, o recado foi dado por quem saiu às ruas para pular o Carnaval. O Brasil exige a volta da democracia. Mais do que simplesmente pedir “Fora, Temer”, o que importa é construir uma saída legítima para o maior impasse institucional da história do País, que arrastou a economia para o fundo do poço. Em dois anos, 7 milhões de brasileiros perderam seus empregos e o PIB afundou 10% – o que só acontece com países em guerra.

Na quarta-feira de Cinzas, com o depoimento de Marcelo Odebrecht, o Brasil conheceu as primeiras pílulas do que vem por aí. De um lado, o empreiteiro disse ter dado cerca de R$ 150 milhões, via caixa dois, à chapa Dilma-Temer. E também afirmou que o senador Aécio Neves lhe pediu R$ 15 milhões. Um dia depois, o número dois da Odebrecht, Benedicto Júnior, relatou um pedido do próprio Aécio para receber mais R$ 9 milhões por fora. Tudo isso, sem mencionar a estranhíssima história dos R$ 11 milhões pagos ao PMDB, num caso que envolve José Yunes, ex-assessor de Temer, e Eliseu Padilha.

Com o sistema político apodrecido, o ministro Herman Benjamin apresentará um relatório duríssimo aos demais ministros do TSE, propondo a cassação da chapa Dilma-Temer. E o julgamento só não será colocado em pauta se o presidente do Tribunal, Gilmar Mendes, não permitir. A Temer, resta sonhar com a improvável divisão da chapa, que permitiria punir Dilma e salvá-lo. No entanto, a tendência aponta para a indivisibilidade da dupla, até porque o PMDB comandava sete ministérios no governo Dilma, incluindo o de Minas e Energia, que concentrava as obras mais importantes para as empreiteiras.

Na hipótese de cassação, o Brasil teria eleições indiretas, conduzidas por um Congresso também contaminado. Em seu depoimento ao Ministério Público, Yunes relatou que 140 deputados estavam sendo pagos pelo grupo de Eduardo Cunha, preso há quatro meses em Curitiba. Portanto, esta também não seria uma solução legítima nem aceitável.

O recado foi dado no Carnaval: o Brasil quer democracia, a única saída para recompor o tecido social

Resta um único caminho: a realização de eleições gerais no País, não apenas para a Presidência da República, mas para a Câmara e o Senado, acompanhadas de uma ampla reforma política. O ponto central, evidentemente, é proibir os financiamentos empresariais de campanha, que permitiram que a agenda pública fosse sequestrada pelas empreiteiras e outros interesses privados. Mas é também essencial reduzir o custo eleitoral, com questões como o voto distrital e a redução do papel do marketing político.

Só assim, com o reencontro do Brasil com a democracia, será possível recompor o tecido social. A hipocrisia, a seletividade e os duplos padrões morais só servirão para aprofundar as divisões entre os brasileiros, que criam o risco até de uma ruptura institucional, abrindo espaço para o fascismo. Ainda há tempo para salvar a democracia. Mas ele é cada vez menor.

 

Veja também

+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial

+ Pudim japonês não tem leite condensado; aprenda a fazer

+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"

+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por desconto de até 50% na parcela

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Raro fenômeno da lua azul ocorrerá durante o Halloween 2020, saiba o significado

+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Mulher sobe de salto alto montanha de 4 mil metros

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago



Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.