Coronavírus

Índia registra novo recorde de casos de Covid; Délhi adota lockdown

Índia registra novo recorde de casos de Covid; Délhi adota lockdown

Paciente com Covid-19 em Ahmedabad, na Índia


Por Neha Arora e Anuron Kumar Mitra

NOVA DÉLHI (Reuters) – A região da capital indiana de Délhi ordenou um lockdown de seis dias nesta segunda-feira, já que os casos diários de Covid-19 atingiram um novo recorde nacional e o sistema de saúde desmoronou sob o fardo das infecções novas.

Os hospitais da Índia estão sofrendo com a falta de leitos, oxigênio e remédios essenciais agora que as infecções passaram da marca de 15 milhões, cifra só inferir à dos Estados Unidos.

“O sistema de saúde de Délhi é incapaz de receber mais pacientes em grande quantidade”, disse o ministro-chefe, Arvind Kejriwal, em uma entrevista coletiva virtual nesta segunda-feira.

“Se um lockdown não for implantado agora, a situação ficará fora de controle.”


+ Mãe conta à polícia que ateou fogo e matou bebê por ‘vergonha’ de ter a gravidez descoberta
+ Após ameaças, soldada da PM denuncia coronel por assédio sexual
+ Youtuber é perseguido por jacaré de três metros: veja vídeo



O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, cancelou uma viagem planejada à Índia na semana que vem por causa do coronavírus, informou seu gabinete.

Menos de 100 leitos de tratamento intensivo estavam disponíveis na cidade de Nova Délhi, que tem mais de 20 milhões de habitantes, disse Kejriwal no domingo, e as redes sociais transbordavam de queixas.

O número diário de casos de Covid-19 da Índia cresceu o recorde de 273.810 nesta segunda-feira, e as mortes aumentaram um recorde de 1.619 e chegaram a 178.769.

Délhi, que entra em lockdown na noite desta segunda-feira, se soma a cerca de 13 outros Estados de todo o país que decidiram impor restrições, toques de recolher ou lockdowns em suas cidades, incluindo Maharashtra, o Estado indiano mais rico, e Gujarat, terra natal do premiê, Narendra Modi, cuja cidade industrial de Ahmedabad também enfrenta uma escassez de leitos.

Aumentam as críticas à maneira como o governo Modi lida com a segunda onda da pandemia na Índia, já que festivais religiosos e comícios políticos estão reunindo milhares de pessoas.

Líderes como o ministro do Interior, Amit Shah, devem realizar novos eventos itinerantes e reuniões públicas nesta segunda-feira.

Na noite de domingo, o pólo financeiro de Hong Kong anunciou que suspenderá voos da Índia, do Paquistão e das Filipinas por duas semanas a partir de terça-feira.

Até esta segunda-feira, a Índia havia administrado quase 123,9 milhões de doses de vacina, a maior quantidade depois de EUA e China, mas está muito atrás na vacinação per capita.

(Por Neha Arora em Nova Délhi e Anuron Kumar Mitra e Nivedita Bhattacharjee em Bengaluru; reportagem adicional de Sumit Khanna em Ahmedabad)

Veja também

+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tenha também a Istoé no Google Notícias
+ Canadá anuncia primeira morte de pessoa vacinada com AstraZeneca no país
+ Yasmin Brunet comemora vitória de Gabriel Medina
+ Decifrado código dos Manuscritos do Mar Morto
+ Receita de panqueca americana com chocolate
+ Receita rápida de panqueca de doce de leite
+ Contran prorroga prazo para renovação da CNH
+ Receita de moqueca de peixe simples e deliciosa
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Sucuris gigantes são flagradas em expedições de fotógrafos no MS