Edição nº2504 08.12 Ver edições anteriores

A síndrome de honestidade

Quando o paciente entrou, a psicanalista não conseguiu conter a expressão de surpresa.
Um senhor de terno bege, sem graça, com uma gravata pálida, solta no pescoço como num fim de dia.
A expressão era de derrota, olheiras profundas e cabelos brancos mal cuidados.
Assustada, a psicanalista o encaminhou direto para o divã, sem nem mesmo uma introdução.
Sentou-se a seu lado, numa poltrona, e após uma pequena pausa perguntou:
– Então, o que trouxe você aqui?
O homem olhava fixamente para o teto procurando a resposta na luminária.
– Bom doutora… eu sou deputado federal. Quarto mandato…
– Compreendo…
– …e acontece, doutora, que minha orientação foi sempre a honestidade.
A mulher revira os olhos.
Há 15 anos atendendo em Brasília cansou de atender pacientes “honestos”.
– Ou melhor, eu era honesto, mas há uns dez anos comecei a tentar novas experiências e acabei recebendo uns recursos por fora, nas minha contas. Eu sabia que aquilo não era eu, mas fui gostando mais e mais…a senhora sabe como é. O meio influencia…
– Entendo…
– Fui gastando em carros, mansões, mulheres, viagens. Virou uma obsessão pegar 10% ou 15% de tudo que aparecia na frente. Uma tara incontrolável! Dia e noite.
– E agora o senhor precisa de ajuda para largar esse vício, certo? – depois da Lava Jato esse era o problema mais comum em seu consultório. Corruptos arrependidos.
– Não doutora! É justamente o contrário.
– Como assim?
O deputado envergonhado, admitiu:
– Eu tô broxa doutora.
– Ah! Mas isso na sua idade eventualmente acontece, não prec…..
– Não doutora! Broxa de pegar meus 10%!
– Oi?
– Sei lá o que aconteceu. Foram tantas orgias financeiras, Ferraris, Paris, dólares nas malas da Suíça, que enjoei, entende?
– Mas isso é ótimo! Então você está livre da sua obsessão!
– Ótima notícia? Não doutora! A senhora não sabe como é Brasília. Se eu não voltar a comparecer vão começar a desconfiar da minha virilidade corrupta! Aí acabou para mim. Não serei chamado nem para a comissão de ética, que não paga nada.
Quando a sessão terminou, a psicanalista deixou escapar para si mesma:
– Fascinante.
No instante seguinte surgiu a questão moral.
Será que ela poderia ajudá-lo a retornar a sua vida de promiscuidade corrupta?
Decidiu que sim. Não cabia a ela julgar e sim cuidar da felicidade de seu paciente.
Verdade que ela estranhou a própria decisão, mas relevou.
Uma semana depois, nova sessão.
O deputado entra angustiado.
– E então, doutora? Meu caso tem solução???
A psicanalista estava diferente, ele notou.
Tirou os óculos lentamente e olhou bem no fundo dos olhos do deputado:
– Solução? Claro que tem, querido – ela falou num tom de voz cúmplice – Aqui a gente tem um jeitinho para tudo.
– O que então? O que eu devo fazer?
A psicanalista jogou os cabelos para traz e, num tom malicioso, disparou:
– Antes precisamos combinar que, se eu curar você, podemos acertar aí um presentinho por fora, não? Quem sabe uns 10% das suas próximas “conquistas”, hein? hein?
Foi nessa hora que o deputado, vendo a psicanalista transfigurada, finalmente compreendeu de onde veio a sua doença.
A maldita síndrome era contagiosa.

Ótima notícia? Não doutora! A senhora não sabe como é Brasília. Se eu não voltar a comparecer, vão desconfiar da minha virilidade corrupta!


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2017 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.