Brasil

Sheherazade diz sofrer ameaças de morte desde que “ousou criticar” Bolsonaro

Crédito: Divulgação

A âncora do principal telejornal do SBT, o SBT Brasil, Rachel Sheherazade afirmou por meio do Twitter na madrugada desta quinta-feira (27) que vem sofrendo ameaças de morte e contra a família dela desde que “ousou” criticar o então candidato à Presidência Jair Bolsonaro em 2018.

E seu perfil oficial na rede, Rachel se solidarizou com as colegas de profissão Vera Magalhães, Míriam Leitão, Eliane Cantanhêde e Patricia Campos Mello que, para a âncora do SBT, têm sido alvos de ataques da mesma natureza “vil, covarde, decrépita e misógina”.

Rachel também ressaltou, em uma sequência de posts, que todos os ataques “partem do mesmo escritório virtual do crime, já denunciado na CPI das Fake News”. Para a jornalista do SBT, tais denúncias foram ignoradas pelo Procurador-Geral da República, Augusto Aras, e pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro.

“A violência que minhas colegas sofrem eu sofri e tenho sofrido também. Campanhas difamatórias, ataques em massa, ameaças de morte, ameaças contra meus filhos têm sido uma rotina desde que ousei criticar o então candidato Jair Bolsonaro, ainda no episódio da greve dos caminhoneiros em 2018”, afirmou Rachel.

A jornalista ressaltou que não há como afirmar que o comando dos ataques a jornalistas seja do presidente, mas disse que “não há como negar que ele tira proveito do ódio que semeia”.

De acordo com Rachel, esse ódio põe em “cheque a própria liberdade de imprensa”. “Na luta insana contra a democracia, o primeiro ataque é contra a verdade. A última vítima do autoritarismo é a liberdade”, concluiu a jornalista.