Comportamento

Sexo em tempos de PTinder

Militantes e plataformas alternativas de esquerda criam aplicativos contra a solidão e as desavenças políticas. Advertência: “bolsolteiros” não entram

Ninguém pode prender uma ideia, mas pode fazer dela um aplicativo para promover relacionamentos amorosos entre pessoas com o mesmo alinhamento político. Nesta época de solidão, brigas no almoço de família e desavenças no trabalho, está surgindo a rede social PTinder, um recurso para buscar namoros entre pessoas de esquerda que querem ficar longe do meio ambiente tóxico dos tais “discursos de ódio”.

A filósofa Elika Takimoto lança o aplicativo de relacionamento da esquerda: o PTinder. De onde saiu Janja, tem mais. Lula foi o precursor ao encontrar uma namorada na base analógica de militantes petistas (Crédito:Divulgação)

Amor digital saudável entre petistas e assemelhados é o que defende a criadora do PTinder, a doutora em filosofia e youtuber Elika Takimoto, de 46 anos, em parceria com a advogada Maria Goretti Nagime, de 35. Para a dupla de influenciadoras digitais cariocas, o PTinder serve como válvula de escape para “o amor em tempos de cólera”, como dizem, fazendo trocadilho com o romance de Gabriel García Márquez. Inicialmente, a rede será hospedada em um perfil no Instagram. O plano é fazê-la migrar em seguida para um aplicativo próprio, onde as pessoas poderão encontrar o que as inventoras chamam de um “partidão de esquerda”.

Coraçãozinho vermelho

Takimoto explica que a ideia veio à mente depois de um amigo ter caído na fossa por causa de um fora. As duas postaram uma foto dele com as suas características e a legenda: “Advogado, diretor de escola técnica, bom papo e, lógico, de esquerda”. Resultado: choveram candidatas. “E se fizessem um Tinder voltado à esquerda?”, pensaram, lembrando o aplicativo de relacionamento. “Primeiro pensamos em um nome mais brasileiro, como PTsão. Mas o apelido PTinder acabou pegando”, diz Takimoto.

“A pessoa não quer sair de casa e correr o risco
de topar com um fascista”
Elika Takimoto, doutora em filosofia,
influenciadora digital e idealizadora do PTinder

O sistema começou de forma intuitiva. O ex-presidente Lula se revelou um visionário do amor. Ele encontrou uma noiva, Janja, vasculhando a base de dados analógica de militantes petistas casadoiras (sim, isso existe). Trata-se de um cadastro semelhante ao de informações sobre os quais se constroem as redes sociais digitais.

Sem medo de match

O PTinder se destina aos donos de um coração politicamente vermelho. Nele, não existe “match”, mas “marx”. Ali, não se procura a metade da laranja — afinal, isso é coisa do Fabrício Queiroz —, mas a da estrela. “Todo mundo está com medo de se relacionar”, afirma Takimoto “Se as pessoas que já se conhecem vivem brigando, imagine com quem chegou agora.” O medo maior, segundo ela, é sair de casa e dar de cara um assustador fascista da linha bolsominion.

No PTinder, até onde analisou a equipe que está desenvolvendo o aplicativo, não se pode impedir totalmente encontros constrangedores, mas serão aplicados filtros. O dono do canal do YouTube Brasil 247, Leonardo Attuch, também promete critérios irrefutáveis para rechaçar invasores e desenvolver um aplicativo invulnerável aos avanços da direita. “Se houver algum infiltrado, será expelido naturalmente”, diz. Ele está desenvolvendo uma rede social nos moldes do PTinder. O pré-requisito é ser assinante do veículo: “Como não temos simpatizantes bolsonaristas…” Será?

Alguns críticos argumentam que é necessário pensar em estratégias que superem o automatismo dos protocolos digitais. Segundo a professora Adriana Amaral, da pós-graduação em Comunicação da Unisinos, em São Leopoldo (RS), o projeto reflete a forma como o tecido social se constitui no momento, quando vivemos fechados em bolhas. “É tanto uma questão de ordem social como da materialidade dessas plataformas, que potencializam esse comportamento”, afirma.

Tópicos

PT Tinder