Brasil

Sérgio Camargo diz que vai entrar na Justiça após Instagram desativar seu perfil

Sérgio Camargo diz que vai entrar na Justiça após Instagram desativar seu perfil

O presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo, disse nesta quinta-feira (16) que entrará com uma ação na Justiça contra o Instagram, após a rede social desativar seu perfil.

Segundo Camargo, o site teria desativado sua conta após ele postar “verdades sobre a África e o inútil movimento negro”, em suas palavras, e que a rede social gosta “da negrada escrava da esquerda”.

“O Instagram desativou minha conta depois que postei verdades sobre a África e o inútil movimento negro. Ingressarei com ação na Justiça para suspender a censura e restabelecer meu direito à liberdade de expressão. Gostam da negrada escrava da esquerda. Sou livre, imbecis!”, disse Camargo.

Ainda no Twitter, Camargo disse que “a escravidão do netro pelo negro é uma instituição imemorial da África”, e que Zumbi teria escravizado negros no Quilombo dos Palmares.

O presidente da Fundação Palmares ainda afirmou que “quem mais mata o negro é, principalmente, o próprio negro, não a polícia”, e que “esta mata bandidos, de qualquer cor, para defender a sociedade”. Camargo ainda afirmou que sua raça é humana, e que sua cor é o Brasil.

Saiba mais
+ Mãe de Medina compara Yasmin Brunet a ‘atriz pornô’ e colunista divulga conversa
+ Chamada de atriz pornô, Yasmin Brunet irá processar mãe de Gabriel Medina
+ Mulher divide marido com mãe e irmã mais nova: ‘Quando não estou no clima’
+ Em pose sexy, Cleo Pires afirma: "Amando essa minha bunda grande"
+ Médicos encontram pedaço de cimento em coração de paciente durante cirurgia
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio