Economia

Senado beneficia empresas menores em financiamento para folha de pagamento

O Senado aprovou, nesta quarta-feira, 15, a medida provisória que cria um programa de financiamento para o pagamento da folha salarial durante a pandemia de covid-19. Os senadores fizeram um acordo de última hora para beneficiar empresas menores. Com as alterações, a MP voltará para a Câmara.

A linha de crédito prevista na MP 944/2020 foi assinada pelo presidente Jair Bolsonaro no início de abril como uma das medidas econômicas para salvar empresas durante a pandemia de covid-19. O programa permite que empresas peguem empréstimos em bancos para financiar o pagamento da folha salarial e evitar a demissão de empregados.

De acordo com alteração negociada pelos senadores, poderão ter acesso ao crédito empresas com receita bruta anual de até R$ 10 milhões, conforme dados de 2019. Isso abrange negócios classificados como micro, pequenas e médias empresas. Cooperativas, empregados rurais e instituições religiosas também poderão ter acesso ao financiamento, de acordo com as alterações na MP.

Os senadores fizeram um acordo para alterar o rol de empresas beneficiadas para privilegiar aquelas com receita menor. O texto da Câmara beneficiava negócios com faturamento entre R$ 360 mil e R$ 50 milhões por ano. Na versão do Senado, só poderão ter acesso companhias com resultado de até R$ 10 milhões por ano.

Além disso, pelo texto do Senado, empresas com renda menor, de até R$ 360 mil por ano, poderão acessar um financiamento equivalente a 40% da receita anual e aplicar o recurso em qualquer área – não só na folha de pagamento. No caso daquelas com arrecadação superior, o limite do crédito é o dobro de um salário mínimo por empregado e a quantia deverá ser usada na folha salarial ou para o pagamento de verbas trabalhistas.

+ Exclusivo: como Prost fez Senna perder o contrato com a Ferrari

Originalmente, a MP destinava R$ 34 bilhões do caixa da União para o BNDES operacionalizar o programa. O texto do Senado reduziu esse valor para R$ 17 bilhões e permitiu ao governo colocar mais R$ 12 bilhões no Fundo de Garantia de Operações (FGO) – que abastece outro programa em vigor, operado pelo Banco do Brasil, e também privilegia micro e pequenas empresas.

Contato: daniel.weterman@estadao.com

Veja também

+ Marco Pigossi sobre reprise da novela Fina Estampa: “Tinha que ser proibida de ser reprisada”

+ Mansão de Bruna Marquezine impressiona e vira meme nas redes sociais

+ Avó de Michelle Bolsonaro morre após 1 mês internada com covid-19

+ Divertidos e bem-humorados, idosos invadem o TikTok

+ Uma pequena Harley-Davidson HD350, chegando em 2021?

+ Nazistas ou extraterrestres? Usuário do Google Earth vê grande ‘navio de gelo’ na costa da Antártida

+ Avaliação: Chevrolet S10 2021 evoluiu mais do que parece

+ Grosseria de jurados do MasterChef Brasil é alvo de críticas

+ Carol Nakamura anuncia terceira prótese: ‘Senti falta de seios maiores’

+ Ex-Ken humano, Jéssica Alves exibe visual e web critica: ‘Tá deformada’

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?