Esportes

Sem ‘provas convincentes’ de racismo, liga francesa absolve Neymar e González

Após 17 dias de muita polêmica e especulações, a Comissão Disciplinar da Liga de Futebol Profissional da França (LFP) julgou nesta quarta-feira o ocorrido entre o brasileiro Neymar e o zagueiro espanhol Álvaro González, do Olympique de Marselha, no clássico que o Paris Saint-Germain perdeu por 1 a 0, no último dia 13, pelo Campeonato Francês, e decidiu absolver os dois por entender que não “há provas convincentes” de injúrias raciais de ambas as partes.

“Depois de examinar o caso, ouvir os jogadores e representantes dos clubes, a Comissão concluiu que não há provas convincentes que permitem estabelecer a materialidade dos fatos e declarações de natureza discriminatória por Álvaro González contra Neymar durante o jogo, nem de Neymar contra Álvaro González”, informou o comunicado oficial da Comissão Disciplinar, com sua conclusão sobre o ocorrido.

Neymar já havia cumprido dois jogos de suspensão pelo tapa que deu em Álvaro González durante discussão no final da partida, marcada por muita confusão entre os jogadores, com três cartões vermelhos para o Paris Saint-Germain e dois para o time de Marselha. Todos os atletas expulsos foram punidos.

O clássico foi alvo de três sessões da Comissão Disciplinar ao longo desse período. A pena mais dura recaiu sobre o lateral-esquerdo Kurzawa, do time de Paris, que pegou seis jogos de suspensão, dos quais já cumpriu três. O atacante argentino Angel Di María cumprirá quatro partidas a partir da próxima rodada. E agora absolveu Neymar e Álvaro González.

As ofensas teriam começado ainda no primeiro tempo da partida, após um desentendimento entre o atacante e o defensor. Neymar foi até o quarto árbitro e disse as palavras ‘racismo, não!’, mas nada foi feito pela equipe de arbitragem. No final do jogo, após uma briga generalizada, o camisa 10 deu um tapa na cabeça de González e recebeu o cartão vermelho.


+ Grávida do quinto filho, influenciadora morre aos 36 anos
+ Após assassinar a esposa, marido usou cartão da vítima para fazer compras e viajar com amante

A discussão prosseguiu nas redes sociais e Neymar afirmou que o único arrependimento foi não ter “dado na cara” do espanhol. González afirmou que não era racista, insinuou que a situação foi devido à derrota do PSG e postou uma foto do elenco do Olympique de Marselha – Neymar então respondeu criticando-o e dizendo que ele “não era homem de assumir o erro”.

O Olympique de Marselha defendeu González e assegurou que o espanhol não é racista. Um tio do zagueiro afirmou que a palavra pronunciada foi “bobo”, e não “mono” (macaco, em espanhol), em entrevista na Espanha.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel