ISTOÉ Gente

Selena Gomez acha que as redes sociais são terríveis para sua geração

Selena Gomez acha que as redes sociais são terríveis para sua geração

Selena Gomez - AFP

Selena Gomez afirmou nesta quarta-feira que as redes sociais são terríveis para sua geração, ao explicar que tenta dar um bom exemplo a seus 150 milhões de seguidores no Instagram.

Falando junto ao elenco de “Os mortos não morrem”, de Jim Jarmusch, no Festival de Cannes, a atriz e cantora pop de 26 anos disse que “o mundo está passando por muitas coisas agora, e o que o Jim tenta transmitir neste filme é que as redes sociais têm sido terríveis para minha geração”.

Suas declarações acontecem por ocasião da divulgação da notícia de que uma adolescente se suicidou na Malásia esta semana depois de perguntar a seus seguidores no Instagram se ela deveria ou não tirar a própria vida. A adolescente recebeu uma resposta positiva de 69% e acabou se matando.

A estrela americana também alertou contra as ‘fake news’ espalhadas nas redes.

“Estou com medo de ver como a juventude está exposta. É perigoso que as pessoas não tenham as informações corretas”, enfatizou.

Junto a seus colegas de elenco, Adam Driver, Bill Murray e Tilda Swinton, Gomez admitiu que nem as celebridades nem as grandes empresas podem fazer muito agora para proteger os jovens.

“É quase impossível, não há nada para bloquear (o conteúdo). Os jovens são expostos de forma imediata”, acrescentou.

O filme do americano Jim Jarmusch, que concorre à Palma de Ouro, se concentra em uma cidade pacata com um nome banal, Centerville, onde coisas estranhas começam a acontecer: a lua é onipresente, os animais se comportam de uma maneira incomum… Os habitantes descobrem que os mortos estão saindo de seus túmulos para matá-los violentamente.

Selena Gomez interpreta uma hipster urbana de visita à cidade e que cai nas mãos dos mortos-vivos.

Iggy Pop interpreta um zumbi viciado em café, Murray e Driver são policiais fatalistas, e Swinton, funcionária da agência funerária, se protege esgrimando um sabre à la Kill Bill.