Ediçao Da Semana

Nº 2742 - 12/08/22 Leia mais

Os jogadores da seleção brasileira masculina de vôlei apontaram os erros de saque como um dos principais motivos pela derrota diante dos Estados Unidos, neste sábado, no Ginásio Nilson Nelson, em Brasília, m duelo válido pela Liga das Nações.

“Nos dois primeiros sets jogamos bem, embora a partir do segundo set nosso saque já não tenha entrado tanto. Não fomos muito felizes no volume de jogo. Dominamos o terceiro set até a metade, mas a equipe deles cresceu bastante, e nosso saque não fez tanto efeito. Temos muito para evoluir, saque, defesa, sistema ofensivo. Sabemos que estamos apenas no início da Liga das Nações, e ficamos tristes pela torcida, que nos apoiou o tempo inteiro”, disse o levantador Bruninho, capitão do Brasil.

O oposto Alan, maior pontuador da partida, com 23 pontos, concordou com o colega. “Já sabíamos que seria um jogo difícil, pois o time dos Estados Unidos mexe as peças, mas o estilo de jogo não muda. Continuam jogando bem, sacando bem. Entramos forçando o saque, como sempre fazemos, mas hoje este fundamento não entrou como planejávamos. Temos que reconhecer os méritos deles, que sacaram e bloquearam muito bem. Eles tiveram um volume de jogo muito bom, enquanto nós não fizemos o nosso melhor jogo. Mexemos no time, mas não conseguimos nos ajustar. É ainda questão de treino, temos consciência que ainda há muito o que melhorar. Lá na frente encontraremos com eles de novo”.

Gabriel Vaccari, ponteiro, autor de sete pontos, todos em ataques, considerou que o bloqueio também poderia ter sido melhor. “Avalio que poderia ter contribuído mais no bloqueio. O time dos Estados Unidos é muito ofensivo em todas as bolas. Temos que observar o que não funcionou e continuar melhorando”.

O experiente central Lucão, dono de 9 pontos, 4 de bloqueio, preferiu elogiar o adversário: “O volume de jogo do time dos Estados Unidos fez a diferença. Eles conseguiram sacar melhor e quebraram a nossa recepção. Também tiveram mais paciência na finalização das jogadas, e assim fugiram do nosso bloqueio.”