Economia

Segurança de rede ferroviária britânica na mira após descarrilamento

Segurança de rede ferroviária britânica na mira após descarrilamento

Imagem do trem descarrilado na Escócia - AFP

O governo britânico ordenou, nesta quinta-feira (13), um controle de segurança da rede ferroviária após o descarrilamento de um trem no nordeste da Escócia, “provavelmente” vinculado a um deslizamento de terra, que matou três pessoas.

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

O trem saiu às 06h38 (horário local) de quarta-feira em Aberdeen com destino a Glasgow e descarrilou perto de Stonehaven, cerca de 25 km ao sul da primeira, em uma área atingida por fortes chuvas que provocaram inundações e deslizamentos de terra.

“Queremos aprender uma lição deste trágico incidente”, declarou o ministro de Transportes do Reino Unido, Grant Shapps, no local. “O que aconteceu aqui é horrível e precisamos entender a causa. Parece que provavelmente esteve vinculada a um deslizamento de terra”, disse Shapps à Sky News.

Ele também pediu à Network Rail, que administra a rede ferroviária, que comprove imediatamente o estado da rede e e lhe envie um relatório com as primeiras conclusões em 1o de setembro.

Havia 12 pessoas no trem, segundo a imprensa, um número reduzido devido às restrições a deslocamentos impostas na semana passada após um ressurgimiento de casos de coronavírus em Aberdeen.

Três pessoas foram declaradas mortas no local pelos serviços de emergência. Trata-se do maquinista, outro funcionário ferroviário e um passageiro.

Outras seis pessoas foram levadas ao hospital com “feridas que felizmente não foram consideradas graves”, afirmou a Polícia de transportes britânica em nota na quarta-feira.

A Direção de investigações de acidentes ferroviários declarou que enviou uma equipe de inspetores ao local do acidente e abriu uma investigação.

– “Eventos climáticos intensos” –

Embora a rede ferroviária britânica seja conhecida por seus atrasos e problemas de gestão, que levaram à renacionalização das linhas privatizadas nos últimos anos, ela é considerada bastante segura e o último descarrilamento fatal ocorreu em 2007.

O ministro de Transportes da Escócia, Michael Matheson, destacou que a crise climática é cada vez mais problemática.

“A rede ferroviária enfrenta desafios cada vez maiores em diferentes setores, não apenas aqui na Escócia, mas em todo o Reino Unido, devido ao número crescente de eventos climáticos localizados, muito intensos, que afetam as infraestruturas”, disse à BBC Scotland.

A Network Rail afirma trabalhar com meteorologistas para melhorar as informações sobre situações inesperadas e poder agir com rapidez.

A rainha Elizabeth II, o primeiro-ministro britânico Boris Johnson e a primeira-ministra escocesa, Nicola Sturgeon, homenageram as vítimas do acidente.

Elizabeth II está em sua residência escocesa de Balmoral, a 75 km do local. Junto com seu esposo, o duque de Edimburgo, manifestaram “grande tristeza” e enviaram suas condolências às famílias das vítimas.

Johnson pediu à Polícia de transportes que “descubra exatamente o que aconteceu” para garantir “que nada parecido volte a acontecer no futuro”.

Veja também

+Após ficar internada, mulher descobre traição da mãe com seu marido: ‘Agora estão casados’

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea