Secretário da Habitação quer fim das palafitas em SP

Crédito: Divulgação

Flavio Amary, secretário de habitação do estado de São Paulo (Crédito: Divulgação)

O secretário da Habitação do Estado de São Paulo, Flávio Amary, está desenvolvendo um projeto para acabar com as moradias instaladas irregularmente nos mangues do Estuário de Santos, onde moram 20 mil famílias em condições degradantes: palafitas ligadas por estreitas pontes com madeira podre e casebres infestados por insetos peçonhentos e roedores.

As famílias serão transferidas para casas populares que serão construídas em quatro cidades da Baixada Santista: Santos, São Vicente, Cubatão e Guarujá. Doria deu sinal verde para o projeto, que será anunciado em breve. As áreas desocupadas vão virar parques. O projeto foi antecipado por Amary em live à ISTOÉ.

Iniciativa privada

As obras serão tocadas por meio de PPPs. A Secretaria da Habitação prepara o esboço das licitações e já está à procura de empresas interessadas no projeto.

Os terrenos para a construção das casas serão doados pelas prefeituras, que contam com a geração de empregos e renda no setor da construção civil.

Veja também

+ Confira 4 dicas para descobrir se o mel é falsificado

+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"

+ MG: Pastor é preso por crime sexual e alega que caiu em tentação

+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por desconto de até 50% na parcela

+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

+Vídeo mostra puma perseguindo um corredor em trilha nos EUA

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar



Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.