Comportamento

Secretaria da OEA se solidariza com a “greve de fome contra a ditadura cubana”

Secretaria da OEA se solidariza com a “greve de fome contra a ditadura cubana”

(Arquivo) O secretário-geral da OEA, Luis Almagro - afp/AFP/Arquivos


A Secretaria-geral da OEA se solidarizou nesta quarta-feira(7) com os dissidentes cubanos que afirmam estar em greve de fome contra o governo da ilha, acusando a “ditadura cubana” de abusos de longa data que forçaram esta medida.

“A Secretaria-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA) expressa seu alerta à delicada situação das 27 pessoas que estão em greve de fome contra as práticas repressivas da ditadura cubana”, declarou o gabinete chefiado por Luis Almagro.

A nota acrescentou que a repartição “responsabiliza a ditadura por ter levado a este extremo a repressão contra a União Patriótica de Cuba (UNPACU) e seus membros”.

No dia 20 de março, o líder da UNPACU, José Daniel Ferrer, anunciou em sua conta no Twitter o início de uma greve de fome “em protesto ao aumento da repressão” contra ele.

A Secretaria-geral da OEA instou o governo de Miguel Díaz-Canel a atender às reivindicações, reconhecidas, segundo ele, na Declaração Universal dos Direitos Humanos e nos elementos jurídicos do Sistema Interamericano.


+ Pastor é processado por orar pela morte de Paulo Gustavo
+ Vídeo: Aluno é flagrado fazendo sexo durante aula da UFSC
+ Ao preço de US$ 1.600 por kg, carne Ozaki é a mais cara do mundo



“É hora da ditadura cubana acatar as demandas dos grevistas, que não fazem nada além de exigir direitos e liberdades fundamentais para a condição humana”, afirmou.

O gabinete de Almagro acusou a “ditadura cubana” de ser “durante décadas” um “enorme fardo” para o povo cubano, assinalando que deveria ter sido “extinta” como fizeram os regimes de fato das décadas de 1960 e 1970 na América.

Além disso, culpou Havana “por todos os crimes contra a humanidade típicos do terrorismo de Estado das outras ditaduras hemisféricas: desaparecimentos forçados, execuções extrajudiciais, presos políticos, perseguição política, tortura”.

Almagro, diplomata uruguaio que chefia a Secretaria-geral da OEA desde 2015, é um severo crítico da Cuba instituída por Fidel Castro em 1959, que considera a “ditadura mais antiga da América” com “efeitos nocivos” para todos da região.

Cuba é membro não ativo da OEA desde 2009, depois que sua exclusão, decidida em 1962, foi revogada naquele ano.

Veja também

+ Receita de bolinho de costela com cachaça
+ Gabriel Medina torna-se alvo de sites de fofoca
+ Cientistas descobrem nova camada no interior da Terra
+ Receita de panqueca americana com chocolate
+ Receita rápida de panqueca de doce de leite
+ Contran prorroga prazo para renovação da CNH
+ Receita de moqueca de peixe simples e deliciosa
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Sucuris gigantes são flagradas em expedições de fotógrafos no MS