Num encontro com operadores do mercado financeiro do Rio de Janeiro e de São Paulo, a secretária de Assuntos Internacionais do Ministério da Fazenda, Tatiana Rosito, fez uma defesa enfática da agenda verde.

A ideia de substituir gradativamente a economia marrom (baseada no petróleo) pela economia verde (baseada em recursos renováveis) seria uma das prioridades do governo.

Rosito martelou sobretudo na tecla da ampliação do mercado de crédito de carbono no Brasil. A fala da secretária animou a plateia.

“Ficou claro que a agenda verde, que no governo anterior era um problema, agora é um ativo do governo, inclusive para agenda internacional do presidente Lula”, afirma Rafael Favetti, executivo da Fatto Inteligência Política, que organizou o encontro da secretária com os agentes do mercado.


Siga a IstoÉ no Google News e receba alertas sobre as principais notícias