Edição nº2603 14/11 Ver edições anteriores

Entrevista

Yongey Mingyur Rinpoche

Se você amar o mundo, ele te amará de volta

Narayan Maharjan/NurPhoto

Se você amar o mundo, ele te amará de volta

André Vargas
Edição 11/10/2019 - nº 2598

Yongey Mingyur Rinpoche, 44 anos, é um dos mais respeitados mestres de meditação do budismo tibetano da atualidade. Pertence a uma linhagem de ilustres monges budistas. Atraído desde a primeira infância para uma vida contemplativa, Rinpoche tem grande interesse em neurociência e psicologia e consegue fazer a ponte entre a meditação clássica e a ciência moderna. Seu estilo cativante e bem humorado de indicar os caminhos da elevação espiritual fez com que angariasse popularidade. Em junho de 2011, ele deixou seu monastério em Bodhgaya, no norte da Índia, e passou por um longo retiro solitário, levando o mínimo de pertences e repetindo a jornada de antigos iogues andarilhos que meditavam em cavernas e locais sagrados. “Durante o primeiro mês de retiro errante, implorei por comida nas ruas. Consumi alimento estragado e quase morri”, disse Rinpoche à ISTOÉ. “Quando tive essa experiência de quase morte, minha percepção e as minhas emoções se dissolveram, deixando minha consciência mais clara”. Ele esteve no Brasil recentemente para lançar seu livro “Apaixonado pelo Mundo”, no qual conta as lições recebidas a partir dessa experiência e ensina como enfrentar o medo a partir das práticas de meditação que salvaram sua vida.

Como a meditação pode se encaixar na vida moderna, no cotidiano de quem trabalha intensamente e precisa alcançar metas profissionais ambiciosas?

Normalmente, a meditação é como uma higiene mental. Em nossas vidas, é claro, todas as influências vêm da mente, que pode influenciar o trabalho, os relacionamentos, como tomamos decisões, resolvemos problemas e desenvolvemos a criatividade. Toda a percepção vem da mente. Então, temos de educar nossa mente. Temos de aprender para crescermos. Com o sistema educacional moderno, existem muitos níveis intelectuais, mas há muita coisa conectada com nossa natureza fundamental. E isso significa que temos um grande dom dentro de nós que é a consciência. É algo formado por nossas compaixão e sabedoria interiores. Normalmente, não há muito como descobrir essas coisas. Então, a meditação realmente ajuda a aflorar esse potencial, que é um grande poder que há em todo mundo. Por meio da meditação, você pode se conectar com sua consciência, que é dotada de compaixão e sabedoria. Isso ajuda a atingir seus objetivos.

E existe alguma fórmula para isso?

O que você fizer, será bom para você, bom para seu trabalho, será bom para sua vida, para sua saúde. Vale ressaltar que a meditação não é como um trabalho. Você não pode trabalhar a qualquer momento e hora. É possível meditar em qualquer hora, lugar e circunstâncias. Na vida moderna, a meditação não irá interferir em nada se você souber como praticar. Pode ser praticada até enquanto fazendo exercícios, assistindo à televisão, olhando para seu celular, falando ou comendo. É preciso entender que não dá para praticar exercícios em todo lugar e hora, assim como não conseguimos estudar e trabalhar. Mas é possível meditar. Essa prática é relevante para os tempos atuais, ajuda na descoberta dos nossos potenciais individuais.

É preciso muito esforço para conseguir adequar esses dois aspectos da vida?

Sim. Normalmente precisamos nos esforçar para fazer as coisas. Já a meditação é algo que aprendemos de uma forma natural. É só seguir o fluxo da situação. No começo, pode ser difícil. É por isso que você precisa meditar em tempos curtos, diversas vezes, em todos os momentos, em todos os lugares, como quando você estiver trabalhando, por exemplo. Especialmente se você se sentir muito estressado. Nessas situações é preciso descansar a mente, nem que seja por alguns segundos. Depois, é voltar a se concentrar no trabalho. Você pensa e descansa, depois, pensa e descansa novamente. Isso ajuda a melhorar a capacidade de raciocínio, pois torna sua mente mais clara e aberta. Se for bom para a pessoa na hora de meditar, é bom para aplicar no trabalho.

A prática pode substituir remédios para ansiedade e depressão?

Sim, é claro. Mas você precisa aprender um passo de cada vez. Primeiro, aprenda a respirar ou a ouvir os sons da meditação. É preciso entender que meditar não é ter uma concentração muito forte. Também não é bloquear pensamentos e emoções. É muito mais ter “awareness”, estar consciente. Significa que você sabe que está respirando e sua mente se volta para sua respiração repetidas vezes. E devagar, eventualmente, você pode se valer das sensações de depressão e de pânico, de tudo que estiver te incomodando na vida, como um instrumento. Da mesma forma que fazemos ao respirar. Tudo que te cerca pode se tornar um apoio para a sua conscientização.

O senhor teve dificuldades quando saiu do mosteiro e enfrentou o mundo exterior em seu retiro errante pela Índia. Como agiria hoje se fosse repetir a experiência?

Eu não tenho intenção de fazer novamente um retiro andarilho como aquele. Mas, em nossas vidas, temos de aprender a enfrentar os problemas. Os desafios estão em todos os lugares. Enfrentar situações adversas, na verdade, sempre é uma grande oportunidade para aprimorar nossa consciência por meio do amor, da compaixão e da sabedoria.

O senhor já tentou uma experiência parecida como a vivida na Índia em algum país ocidental? Ou algum dos seus adeptos tentou?

Alguns amigos foram para as montanhas após minha volta do retiro. Um dos meus alunos, um europeu, viveu em uma caverna no Himalaia por três meses. Ele disse que foi muito bom. Muitas pessoas estão fazendo isso.

Como foi sua experiência de quase morte?

Durante o primeiro mês de meu retiro errante, implorei por comida nas ruas. Consumi alimento que estava estragado e quase morri. Tive diarreias e vômitos por cinco dias. No final, perdi os sentidos. Meu corpo ficou paralisado, mas minha mente se manteve mais clara. Foi o momento de descansar. Normalmente, o que chamamos de consciência é como o céu. Já os pensamentos, as emoções, as memórias e as percepções são como as nuvens nesse céu. Então, quando tive essa experiência de quase morte, minha percepção e as minhas emoções se dissolveram, fazendo com que minha consciência se tornasse mais clara. Foi uma experiência incrível. Sinto como se fosse um dos melhores momentos da minha vida.

Que lições o senhor tirou desse momento traumático?

Em primeiro lugar, aprendi a ter muita gratidão e apreciação sobre quem eu sou. Entendi que possuo natureza maravilhosa que está em mim o tempo todo. E não só eu, todos têm essa natureza maravilhosa. Pena que não reconhecemos isso facilmente. Então, sou grato após quase ter morrido e voltado. Vejo tudo tão diferente do que era antes. Chamo isso de “se você amar o mundo, o mundo te amará de volta”. E, em segundo lugar, recebi ensinamentos nunca havia experimentado. O aprendizado sobre morte e morrer me tornaram alguém muito mais vivo.

A meditação possui pontos em comum com a psicologia e a filosofia? Como se dá essa conciliação?

Hoje em dia, muitos psicólogos modernos estão se aproximando dos princípios da meditação. Eles têm feito descobertas, assim como os neurocientistas e os físicos. Existem pontos em comum entre na ciência que envolvem experiências, resultados e percepções. E, é claro, existem grandes aspectos filosóficos envolvidos.

O budismo e as preces cristãs são práticas religiosas que se aproximam?

Existem muitas técnicas de meditação. No budismo há uma gama de opções bem diferentes entre si. Na prece cristã, se o praticante rezar com a mente, com a consciência, essa oração se torna uma meditação também. No budismo, temos uma oração consciente, o mantra ou recitação mental, em que não utilizamos a boca ou os lábios. Mas, apesar de haver diversos tipos de meditação, a essência é apenas uma, que se dá pela consciência, que é um processo de conhecimento. Todos têm esse saber, só temos de reconhecê-lo e mantê-lo. Isso é meditação. Por exemplo, quando você presta atenção em sua respiração: inspirando, expirando, inspirando, você só sabe que está respirando. Agora, inspire, expire, inspire, expire. É assim que começa.

Há diferença entre quem procura o monastério na Índia e quem vai aos seus centros de meditação no Ocidente?

No monastério temos muitos exercícios, estilos, filosofias e rituais. Já a meditação no Ocidente é bem mais simples. Nós tentamos seguir o que chamamos de estilo experimental. A maioria dos meus centros está tornando a meditação mais simples e direta.

Qual é o sonho ou o objetivo dessas pessoas?

A principal busca é por aquilo que chamamos de libertação. Todos nós temos uma mente de macaco, de animal. Essa mente fica nos prendendo, evitando que sejamos livres e descubramos a incrível natureza que vive em nós. Mesmo quando sentimos que temos tudo na vida e somos felizes, na verdade, ignoramos que há uma felicidade maior. E só podemos descobrir isso em nosso interior, onde não há somente a felicidade que tanto se busca, mas também sabedoria, amor, consciência. De certa maneira, é preciso descobrir quem somos para nos ajudarmos. A partir daí, também podemos ajudar os outros a encontrar paz de espírito. Acho que esse é o grande objetivo de todos.

E qual seria o seu sonho? O seu legado?

Tenho dois propósitos na existência: praticar e ensinar meditação. Para o primeiro, saio em retiros de tempos em tempos. Para o segundo, tenho essa grande paixão de dividir essa maravilhosa linhagem da meditação que me ajudou muito quando era jovem. Eu tive pânicos, e aprender a esvaziar a mente transformou minha vida. Quero compartilhar essa saber com o mundo e vou continuar a fazer isso.

A ideia de que a busca da felicidade passa pela redução das expectativas é uma verdade absoluta?

Algumas pessoas não compreendem muito o assunto. Não é como se você estivesse lutando ou bloqueando desejos e emoções, como o medo, o pânico ou o que for. Meditação é sobre seguir o fluxo da natureza. É estar conforme sua mente estiver. A qualidade natural da mente é ótima, incrível. Quando você sabe como ficar bem com sua mente, a seguir vem a autodescoberta. Não é como se você dissesse: “Não ataque, não ataque, não ataque”. Às vezes você acaba ficando mais apegado às coisas. Nós temos de aprender abrir mão, a deixar ir. Deixar a vida apenas acontecer não significa desistir de nada.



 

(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});



Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.