Geral

‘Se Deus quiser’, Rio começa a vacinar em janeiro, diz Eduardo Paes


O prefeito eleito do Rio, Eduardo Paes (DEM), disse que, “se Deus quiser”, a cidade começa ainda em janeiro a vacinar sua população. Sem dar detalhes sobre qual seria a vacina – ele tem evitado comentar sobre a CoronaVac -, Paes afirmou que deve anunciar na semana que vem um plano mais detalhado de combate à covid-19 na capital que tem a maior taxa de letalidade pela doença.

Apesar de citar janeiro, Paes disse em uma “live” no Instagram que tem expectativa para a definição do plano nacional de imunização. E o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, apontou ontem o mês de fevereiro como um possível início para a vacinação no País.

“Vamos priorizar o pessoal da Saúde, os servidores da Educação, para que a gente possa voltar a ter aula para as nossas crianças”, comentou Paes. O futuro prefeito manteve o discurso de que não acredita num “lockdown” a essa altura dos acontecimentos. A saída, segundo ele, é gerar consciência nas pessoas para que se isolem por contra própria. “Acho que não tem mais espaço para isso (“lockdown”), mas as pessoas têm que ter compreensão. Pessoas mais velhas têm que fazer seu ‘autolockdown’, ficar em casa. Não dá para ficar sassaricando por aí”, afirmou.

Saiba mais
+ Mãe de Medina compara Yasmin Brunet a ‘atriz pornô’ e colunista divulga conversa
+ Chamada de atriz pornô, Yasmin Brunet irá processar mãe de Gabriel Medina
+ Mulher divide marido com mãe e irmã mais nova: ‘Quando não estou no clima’
+ Em pose sexy, Cleo Pires afirma: "Amando essa minha bunda grande"
+ Médicos encontram pedaço de cimento em coração de paciente durante cirurgia
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio