""Presidente argentino foi recebido pelo chanceler federal alemão em visita reduzida. Em reunião, líderes também abordaram negociações para do acordo comercial entre a União Europeia e os países do Mercosul.O chanceler-federal da Alemanha, Olaf Scholz, destacou durante um breve encontro neste domingo (23/06) com o presidente da Argentina, Javier Milei, a importância de as reformas empreendidas no país sul-americano serem socialmente compatíveis e preservarem a coesão social, segundo comunicado divulgado pelo governo alemão.

No nomento, o ultraliberal Milei vem tentando promover um intenso pacote de reformas na Argentina, que incluem planos para uma redução drástica da máquina pública e cortes na área da educação e cultura. Vários dos planos de Milei provocaram protestos no país sul-americano.

Segundo o comunicado, Scholz “enfatizou que, na sua opinião, a compatibilidade social e a proteção da coesão social devem ser parâmetros de referência importantes”.

Os dois líderes também abordaram as negociações para um acordo comercial entre a União Europeia (UE) e os países do Mercosul e concordaram que elas devem ser concluídas rapidamente, afirmou o governo alemão, que sinalizou seu apoio à entrada da Argentina na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), questão que também foi abordada.

Scholz e Milei também concordaram sobre a guerra da Rússia contra a Ucrânia. O governo alemão salientou que ambos haviam participado recentemente da cúpula de paz na Suíça. “Nas conversações de hoje, ambos concordaram também que a Rússia tem nas suas mãos a possibilidade de pôr um fim à guerra de agressão contra a Ucrânia”, comunicou o governo alemão.

A breve reunião de trabalho, com duração de uma hora, foi o primeiro encontro do presidente argentino com um governante social-democrata durante uma visita ao exterior, ainda que não tenha sido a recepção habitual em Berlim a um líder estrangeiro.

Inicialmente, o argentino receberia uma recepção de Estado, inclusive com honras militares, mas a programação original acabou sendo reduzida a uma breve reunião de trabalho depois que – de acordo com o governo alemão – Milei se recusou a falar com a imprensa ao lado de Scholz.

Neste sábado, Milei foi recebido com protestos em Hamburgo, onde esteve para receber uma homenagem de uma fundação neoliberal que tem laços com políticos de ultradireita. Também neste domingo, em Berlim, houve um protesto contra as reformas de Milei.

as (Efe, DPA)