Economia

Scania assegura investimento no Brasil de R$ 1,4 bi, prometido antes da pandemia

O presidente da Scania na América Latina, Christopher Podgorski, assegurou nesta segunda-feira os investimentos de R$ 1,4 bilhão previstos pela montadora no Brasil, apesar do impacto da pandemia no mercado de veículos pesados. O plano, a ser executado até 2024, foi anunciado em maio do ano passado, na esteira de um programa de investimentos que destinaram outros R$ 2,6 bilhões à operação da marca sueca no País.

A montadora pretende direcionar os novos investimentos à atualização das linhas da fábrica em São Bernardo do Campo, no ABC paulista, assim como a projetos de combustíveis alternativos.

“O investimento já tinha sido anunciado, mas antes da pandemia. Aproveito para anunciar que nossos investimentos estão confirmados”, afirmou Podgorski durante congresso virtual promovido pela Autodata.

O presidente da Scania na região disse que acredita num crescimento de, no mínimo, 3% da economia brasileira no ano que vem. Ele informou ainda que a montadora agendou produção extra aos sábados em São Bernardo do Campo para atender a retomada das encomendas.

“De uma situação onde prevíamos parar por muitos dias úteis em meio à pandemia, já temos vários sábados agendados de produção”, comentou o executivo.

Veja também

+ Homem salva cachorro da boca de crocodilo na Flórida
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Honda apresenta a Rebel CMX1100 para bater de frente com a Harley-Davidson
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel