Ediçao Da Semana

Nº 2742 - 12/08/22 Leia mais

A Polícia Civil abriu um inquérito para investigar o caso de uma jovem, de 19 anos, que disse ter sido dopada por uma motorista de aplicativo durante uma corrida no domingo (26), em Florianópolis (SC). Em entrevista ao G1, a moça relatou que se jogou do carro em movimento ao se sentir tonta e perceber o uso de um gás.

Ela informou que solicitou um carro por aplicativo para voltar do trabalho. No decorrer do trajeto, percebeu uma atitude suspeita do motorista, que usava boné e óculos. Ainda segundo a jovem, o homem cobriu o rosto com a gola do casaco e jogou dois jatos de gás para o banco de trás.

“A gente chegou na frente da pista (rodovia), depois de ele parar para abastecer, e notei que subiu uma fumaça. Comecei a me sentir mal, meus olhos e garganta começaram a arder, fiquei tonta e falei que queria descer do carro duas vezes. Ele não deu bola, continuou andando, e eu me joguei”, disse.

Com a queda, a jovem machucou um dos ombros. Depois, foi até uma delegacia, onde vai retornar durante esta semana para fornecer mais detalhes.

O delegado Luiz Funtes, titular da Delegacia de Proteção à Criança, ao Adolescente, à Mulher e ao Idoso (Dpcami), informou que “ela vai ser ouvida nos próximos dias para ficar melhor esclarecido (o fato). É preciso complementar o que foi dito no relato inicial, como ocorre em todos os casos”.

O delegado ainda ressaltou que é necessário averiguar a motivação de o motorista ter usado o gás. Depois, a polícia deve indiciar o suspeito pelo crime.

“Se foi para fins de ameaçar, para dar um golpe, por brincadeira de mal gosto, algo acidental. Menos mal que não se consumou nenhuma situação mais grave”, finalizou o delegado.