Mundo

Salvini diz estar pronto para encarar ‘prisão’

COMACCHIO E ROMA, 20 JAN (ANSA) – O ex-ministro do Interior da Itália e senador Matteo Salvini afirmou nesta segunda-feira (20) que está pronto para encarar a prisão.   

A declaração chega no dia em que a Junta de Imunidade Parlamentar do Senado deve decidir sobre um pedido do Tribunal dos Ministros de Catânia para processar o secretário da Liga por sequestro de pessoas.   

“Guareschi dizia que há momentos em que, para se chegar à liberdade, é preciso passar pela prisão. Estamos prontos, estou pronto”, disse Salvini durante um comício em Comacchio, na Emilia-Romagna, norte da Itália. A frase é uma citação do escritor e jornalista Giovannino Guareschi (1908-1968).   

Segundo Salvini, ele orientou os senadores da Liga a votarem pela aceitação do processo. “Que se faça esse processo político contra alguém que defendeu a segurança, as fronteiras e a honra deste país. Quero ir ao tribunal e representar milhões de italianos que querem viver tranquilos em suas casas”, declarou.   

O caso diz respeito a uma ordem de Salvini para impedir o desembarque de 131 migrantes que haviam sido resgatados pelo navio Gregoretti, pertencente à própria Guarda Costeira italiana, em julho de 2019, quando ele era ministro do Interior.   

A maior parte dos deslocados internacionais (116) ficou presa na embarcação durante cinco dias, até que Roma fechasse um acordo de acolhimento com outros países da União Europeia. “Salvini está usando um tema da Justiça para fins políticos e pessoais. O caso Gregoretti é judiciário, mas ele quer impunidade”, disse o governador do Lazio, Nicola Zingaretti, também líder do centro-esquerdista Partido Democrático (PD).   

A Junta de Imunidade Parlamentar é o órgão responsável por dar pareceres sobre ações judiciais contra senadores, e seu relatório final ainda será votado pelo plenário. Se o Senado aceitar a denúncia, uma eventual condenação pode levar à cassação do mandato de Salvini e de seus direitos políticos.   

A tramitação é idêntica à do caso do navio Diciotti, quando o então ministro do Interior foi denunciado por sequestro ao ter bloqueado uma embarcação da Guarda Costeira que havia socorrido 177 migrantes no Mediterrâneo.   

Na ocasião, Salvini escapou do processo graças aos votos do antissistema Movimento 5 Estrelas (M5S), que hoje governa em aliança com a centro-esquerda. Na votação do caso Diciotti, quando estava no poder, Salvini pedira para seus senadores se colocarem contra a aceitação da denúncia. (ANSA)