O brasileiro Michel Nisenbaum, de 59 anos, foi encontrado morto em Gaza, anunciou nesta sexta-feira, 24, o exército israelense. De acordo com o governo de Israel, ele teria sido morto durante o ataque do grupo islamista palestino Hamas no sul de Israel em 7 de outubro, que desencadeou a guerra.

Além de Michel Nisenbaum, o franco-mexicano Orión Hernández Radoux e o israelense Hanan Yablonka, que estavam no festival de música Nova durante o ataque, também foram encontrados mortos em Gaza.

+ Israel confirma que refém brasileiro em Gaza está morto; outros dois corpos foram encontrados

Quem era o brasileiro?

Michel estava na cidade israelense de Sderot, próxima da Faixa de Gaza, quando fez o último contato com familiares. Ele havia deixado a sua residência para ir buscar uma neta que estava fora de casa.

Nisenbaum possui dupla cidadania e atuava em Israel como motorista, entregador, vendedor e prestador de serviços de informática. Além disso, era voluntário na Rescue Union como condutor de ambulância e guia para grupos que faziam trilhas.

O brasileiro deixa duas filhas, Michal Ben David e Hen Mahluf, e seis netos. “Quem diria que essa seria nossa história, que esse seria seu fim. Nosso Papi, o coração está partido”, escreveu Hen nas redes sociais.

Em dezembro do ano passado, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva se reuniu com Mary Shohat, irmã de Michel Nisenbaum, e com uma das filhas dele. Na época, o petista fez um post nas redes sociais afirmando que o governo brasileiro estava atuando com as autoridades locais para a libertação dos reféns.

Desde o início do conflito, outros três brasileiros foram mortos pelos ataques do Hamas em Israel. Karla Stelzer Mendes, de 42 anos; Bruna Valeanu, de 24 anos; e Ranani Nidejelski Glazer, de 24 anos.