Comportamento

Ryanair enfrenta nova onda de greves

Ryanair enfrenta nova onda de greves

Convocada pelos sindicatos alemães de pilotos (Cockpit) e de pessoal de cabine (Verdi), a greve de 24 horas começou a 1h GMT e levou ao cancelamento de 150 voos que tinham a Alemanha como saída ou destino - dpa/AFP

A companhia aérea Ryanair enfrenta uma nova onda de protestos, começando com uma greve na Alemanha nesta quarta-feira (12), que a obrigou a cancelar um terço de seus voos antes de outra paralisação em nível europeu, prevista para o final de setembro.

Convocada pelos sindicatos alemães de pilotos (Cockpit) e de pessoal de cabine (Verdi), a greve de 24 horas começou a 1h GMT e levou ao cancelamento de 150 voos que tinham a Alemanha como saída ou destino.

Pela manhã, um grupo de cerca de 30 funcionários se manifestou no aeroporto de Berlim Schönefeld com cartazes que diziam “Ryanair tem que mudar”, ou “Se não há direitos, não há voos”.

A companhia aérea de baixo custo propôs a seus clientes adiar gratuitamente suas reservas de hoje para qualquer dia desta semana até domingo. Diferentemente de outras greves, desta vez, a empresa não recorreu a pilotos de outros países.

A paralisação na Alemanha é uma prévia de uma greve europeia convocada por sindicatos de Itália, Portugal, Espanha, Holanda e Bélgica e que será anunciada oficialmente na quinta-feira em Bruxelas.