Ediçao Da Semana

Nº 2741 - 05/08/22 Leia mais

MOSCOU (Reuters) – Um alto parlamentar da Rússia disse nesta quinta-feira que Moscou deveria assumir o controle do projeto de petróleo e gás Sakhalin-1, uma semana depois de tomar o empreendimento vizinho Sakhalin-2.

O Sakhalin-1 tem como parceiros a ExxonMobil, a japonesa SODECO, a indiana ONGC Videsh e a Rosneft. A ExxonMobil anunciou que deixaria o projeto em março, depois que Moscou enviou suas forças para a Ucrânia.

Pavel Zavalny, chefe do comitê de energia da câmara baixa do parlamento russo, disse que a medida é um próximo passo óbvio.

No entanto, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse a repórteres que nenhuma decisão foi tomada sobre o Sakhalin-1.

O presidente russo, Vladimir Putin, assinou um decreto na semana passada assumindo o controle total do projeto de gás e petróleo Sakhalin-2, um movimento que poderia forçar a saída da Shell. e investidores japoneses.

Zavalny disse em um briefing online: “Fomos forçados a tomar a decisão de transferir o Sakhalin-2 do regime (acordo de compartilhamento de produção) para a jurisdição da Rússia em meio a sanções… Obviamente, o mesmo acontecerá com o Sakhalin-1”.

Ele acrescentou: “Quando sanções estão sendo introduzidas, quando as empresas são efetivamente incapazes de participar ativamente de um projeto, isso cria vários riscos para nós e somos forçados a tomar essas decisões”.

O governo japonês está coletando informações para confirmar os fatos e as intenções de Moscou sobre o projeto Sakhalin-1, disse um funcionário do ministério da indústria.

As tradings japonesas Marubeni e Itochu, parte da SODECO, não estavam disponíveis para comentar imediatamente.

(Por escritórios da Reuters, Yuka Obayashi e Miho Uranaka em Tóquio)

tagreuters.com2022binary_LYNXMPEI660J0-BASEIMAGE